A recriação, o retorno e o eterno novo

epigramas ausonianos em português

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v34i1.868

Palavras-chave:

tradução, recriação , epigramas latinos , Ausônio

Resumo

Propõe-se, neste artigo, ao se retomarem as relações entre Filosofia e Literatura, uma discussão sobre a tradução de poesia, levando-se em conta, principalmente, o pensamento de Walter Benjamin, Roman Jakobson, Ezra Pound, Jacques Derrida e Haroldo de Campos. Para além da discussão, o trabalho traz ainda recriações de epigramas latinos da autoria de Décimo Magno Ausônio, um poeta do séc. IV e.c., também ele recriador de outros poemas. Nessas recriações, realizadas a partir da edição crítica de Roger Green, experimenta-se o exercício de enfrentamento de poemas inçados de dificuldades e, portanto, mais abertos a recriações, conforme propõe Campos. Trata-se, pois, de uma forma de investimento criativo em um dos tipos do make it new poundiano, uma vez que as recriações lidam com aspectos do extratexto cuja tradução se mostrou esteticamente potente e produtiva não via transcriação, mas via recriação, reimaginação ou reinvenção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Amarante, Universidade Federal da Bahia

Doutor em Língua e Cultura

José Amarante Possui, pela Universidade Federal da Bahia, graduação em Letras Vernáculas (1999), mestrado em Letras e Linguística (2005) e doutorado em Língua e Cultura (2013), tendo sido a sua tese premiada com o Prêmio CAPES de Teses 2014 (Letras e Linguística) e com o Prêmio ANPOLL de Teses 2014 (Menção honrosa). Atuou em educação básica no ensino público, foi diretor pedagógico de ensino privado na Bahia. Atuou como professor de graduação em instituições públicas e privadas da Bahia. Em 2006, seu livro de contos "Ainda em flor" recebeu o Prêmio Braskem de Literatura, tenso sido publicado pela Fundação Casa de Jorge Amado. É professor de Língua e Literatura Latinas na Universidade Federal da Bahia, atuando também como professor permanente no Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura, na orientação de trabalhos sobre História da cultura escrita no Brasil, e como Professor Permanente no Programa de Pós-graduação em Literatura e Cultura, na orientação de trabalhos sobre autores da Antiguidade Tardia e sobre mitologia clássica na Idade Média. Desenvolve pesquisas em Didática do Latim, História Social do Latim no Brasil e tradução de obras de Ausônio (séc. IV), Fulgêncio (Final do séc. V - Início do séc. VI d.C.), dos Mitógrafos do Vaticano. Em 2016, realizou seu pós-doutorado junto ao Centro Antropologia e Mondo Antico da Università di Siena, Itália, com bolsa de pós-doutorado pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). 

Referências

AUBERT, Francis Henrik. Desafios da tradução cultural: As aventuras tradutórias de Askeladden. TradTerm, v. 2, p. 31-44, 1995.

BENJAMIN, Walter. Die Aufgabe des Übersetzers. Prefácio à tradução de Tableaux parisiens de Charles Baudelaire. Heidelberg: Verlag von Richard Weissbach, 1923.

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou O albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélène Catherine Torres, Mauri Furlan, Andreia Guerini. Rio de Janeiro: 7Letras/PGET, 2007.

BERMAN, Antoine. A tradução e seus discursos. Alfa, v. 11, n. 2, p. 341-353, 2009. Tradução de Marlova Aseff ao original publicado em 1989 na revista canadense Meta.

BLUMENBERG, Hans. Die Lesbarkeit der Welt. Frankfurt a. M.: Suhrkamp, 1981.

BRANCO, Lucia Castello (org.). A tarefa do tradutor de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008.

BRITTO, Paulo Henriques. Horácio no Baixo. Trad. de Horácio, Od. 1, 11. Folha de São Paulo, São Paulo, 9 jan. 2011. Ilustríssima. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il0901201110.htm. Acesso em: 26 nov. 2019.

BRITTO, Paulo Henriques. Formas do nada. São Paulo: Cia. das Letras, 2012.

CAMPOS, Haroldo de. Da Tradução como criação e como crítica. Tempo Brasileiro, v. 2, n. 4/5, p. 164-82, 1963.

CAMPOS, Haroldo de. Tradução, ideologia e história. Cadernos do MAM, v. 1, p. 239-47, 1983.

CAMPOS, Haroldo de. Sobre Finismundo: a última viagem. Rio de Janeiro: 7 Letras, 1996.

CAMPOS, Haroldo de. Transluciferação mefistofáustica. In CAMPOS, Haroldo. Deus e o diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 2005, p. 179-209.

CAMPOS, Haroldo. Da tradução como criação e como crítica. In CAMPOS, Haroldo. Da transcriação poética e semiótica da operação tradutora. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011, p. 31-46.

CECCARELLI, Lucio. Prosodia y métrica del latín clásico. Con una introducción a la métrica griega. Trad. Rocío Carande. Sevilla: Publicaciones de la Universidad de Sevilla, 1999.

DEMGOL. Dicionário Etimológico da Mitologia Grega (multilíngue, online). Direção: Ezio Pellizer e Gennaro. Tedeschi. Gruppo di Ricerca sul Mito e la Mitografia (GRIMM), Università di Trieste. Disponível em: https://demgol.units.it/index.do. Acesso em: 20 out. 2019.

DERRIDA, Jacques. The ear of the other. Texts and discussions with Jacques Derrida. Otobiography, transference, translation. English edition edited by Christie V. McDonald, translated by Peggy Kamuf. New York: Schocken Books, 1985.

DERRIDA, Jacques. Hospitalité. Cogito, v. 85, p. 17-44, 1999. Special issue Pera Peras Poros, ed. Ferda Keskin and Önay Sözer.

DERRIDA, Jacques. Hospitality. Translated by Barry Stocker with Forbes Morlock. ANGELAKI Journal of the Theoretical Humanities, v. 5, n. 3, p. 3-18, 2000.

EVELYN WHITE, Hugh G. Ausonius. London: William Heinemann; New York: G. P. Putnam’s Sons, 1921. v. 2.

FALEIROS, Álvaro. Tradução & poesia. In AMORIM, L. M.; RODRIGUES, C. C.; STUPIELLO, É. N. A. (org.). Tradução &: perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015, p. 263-75.

FERREIRA, Alice Maria Araújo; ROSSI, Ana Helena. Antropofagia, mestiçagem e estranhamento: tradução em (dis)curso. Cadernos de Tradução, v. 31, p. 35-55, 2013.

FRANCISCO, Reginaldo. Estrangeirização e domesticação: indo além de mais uma dicotomia. Scientia Traductionis, v. 16, p. 91-100, 2014.

FURLAN, Mauri. Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente. I. Os romanos. Cadernos de Tradução, v. 2, n. 8, p. 11-28, 2001.

GONÇALVES, Willamy Fernandes. A mimese de conteúdo: iconicidade na poesia latina e sua traduzibilidade. Classica, v. 30, n. 1, p. 63-84, 2017. doi: https://doi.org/10.24277/classica.v30i1.421

GREEN, Roger P. H. The Works of Ausonius. Edited with introdution and commentary. Oxford: Clarendon Press, 1991.

ISER, Wolfgang. Problemas da teoria da literatura atual: o imaginário e os conceitos-chave da época. In LIMA, Luiz Costa (org.). Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983. v. 2, p. 927-53.

JAKOBSON, Roman. On linguistics aspects of translation. In DRAWER, R. A. (ed.). On Translation. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1959, p. 232-9.

MOREIRA, Daniel da Silva. Epigramas, Décimo Magno Ausônio. (n.t.) Revista Literária em Tradução, ano 3, n. 4, p. 9-25, mar. 2012.

NÓBREGA, Thelma Médici. Transcriação e hiperfidelidade. Cadernos de Literatura em Tradução, v. 7, p. 249-55, 2006.

PAES, José Paulo. Paladas e a tradição do epigrama. In PAES, José Paulo. Paladas de Alexandria – epigramas. São Paulo: Nova Alexandria, 1993, p. 13-44.

PASSOS, Márcia Maria Barros dos et al. A disseminação cultural das garrafadas no Brasil: um paralelo entre medicina popular e legislação sanitária. Saúde Debate, v. 42, n. 116, p. 248-62, 2018.

PEIPER, Rudolfus (ed.). Decimi Magni Ausonii Burdigalensis Opuscula. Lipsiae: In aedibus B. G. Teubneri, 1886.

PELLEGRINI, Maria. Ausonio. La Mosella e altre poesie. Note. Milano: Mondadori, 2011.

PONTANI, Filippo Maria (ed.). Antologia Palatina. Torino: Einaudi, 1980. v. 3.

PRETE, Sesto (ed.). Ausonius. Decimi Magni Ausonii Burdigalensis Opuscula. Leipzig: Teubner, 1978.

PYM, Anthony. Explorando teorias da tradução. Trad. Rodrigo Borges de Faveri, Cláudia Borges de Faveri, Juliana Steil. São Paulo: Perspectiva, 2017.

RODRIGUES, Cristina Carneiro. Tradução e práticas político-culturais. TradTerm, v. 1, p. 49-56, 1994.

SANTANA-DEZMANN, Vanete; MILTON, John. O “make it new” segundo Haroldo de Campos. Tradução em Revista, v. 20, p. 1-15, 2016.

SCHLEIERMACHER, Friedrich. Sobre os diferentes métodos de tradução. Tradução de Celso R. Braida. In HEIDERMANN, Werner (org.). Clássicos da teoria da tradução. 2. ed. revista e ampliada. Florianópolis: UFSC, 2001, p. 38-101.

SELIGMANN, Márcio. Filosofia da tradução – tradução de filosofia: o princípio da intraduzibilidade. Cadernos de Tradução, v. 1, n. 3, p. 11-47, 1998.

SHOHAT, Ella. Des-orientar Cleópatra: um tropo moderno da identidade. Cadernos Pagu, v. 23, p. 11-54, 2004.

TÁPIA, Marcelo. Transcriação: teoria e prática. Humboldt (Spanische Ausg.), maio 2010. Disponível em: http://www.goethe.de/wis/bib/prj/hmb/the/153/pt6075970.htm. Acesso em: 15 nov. 2019.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio. A tradução poética e os estudos clássicos no Brasil de hoje: algumas considerações. Scientia Traductionis, v. 10, p. 68-79, 2011.

VIEIRA, Trajano. [Newsletter]. Enviada por e-mail a inscritos em https://www.trajanovieira.com e disponível em: https://mailchi.mp/d1e281acbdff/traduo-potica?e=a55f8e53df . Acesso em: 6 jun. 2020.

Downloads

Publicado

27-04-2021

Como Citar

Amarante, J. (2021). A recriação, o retorno e o eterno novo : epigramas ausonianos em português. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 34(1), 85–107. https://doi.org/10.24277/classica.v34i1.868

Edição

Seção

Artigos