Entre eros e a morte, a paixão desmedida de Antígona e de Maria Matamoros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v35i1.979

Resumo

Pretende-se estabelecer no artigo um paralelo, sob uma abordagem comparativa, entre as protagonistas da tragédia Antígona, de Sófocles, e da narrativa “Matamoros (da fantasia)”, de Hilda Hilst. Devotada ao irmão Polinices, Antígona transgride as leis da cidade para obedecer tão somente ao imperativo do seu desejo, ventilado por Jacques Lacan (2008) e sugerido na tradução de Trajano Vieira (2009). Imbuída pelo ímpeto de uma heroína trágica, Maria Matamoros segue a sua paixão irredutível pela figura de Meu, abandonando-se a um gesto de autoflagelo. Com base na leitura de Davi Andrade Pimentel (2009), o castigo em si mesma a aproxima, em certa medida, das tragédias gregas. Sob um páthos excessivo e arrebatador, as protagonistas conduzem as suas escolhas até os últimos limites. Tendo em vista o vínculo entre o sacrifício e o amor (Bataille, 2017), ambos os enredos retratam a entrega amorosa como uma legítima experiência de transgressão e de destruição. Em suma, a paixão confunde as fronteiras entre eros e a morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Guilherme de Almeida; VIEIRA, Trajano. Três tragédias. Antígone, Prometeu prisioneiro, Ájax. São Paulo: Perspectiva, 1997.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução, comentários e índices analítico e onomástico de Eudoro de Sousa. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

BATAILLE, Georges. A parte maldita. Precedida de “A noção de dispêndio”. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

BÍBLIA. Português. A Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 1995.

BURKERT, Walter. Greek tragedy and sacrificial ritual. Greek, Roman and Byzantine Studies,

v. 7, n. 2, p. 87-21, 1966.

BURKERT, Walter. Religião grega na época clássica e arcaica. Tradução de M. J. Simões Loureiro. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

CATULO. O livro de Catulo. Tradução, notas e introdução de João Angelo Oliva Neto. São Paulo: EDUSP, 1996.

EAGLETON, Terry. Sweet violence: the idea of the tragic. Oxford: Blackwell Publishing, 2003.

EURÍPIDES. As bacantes de Eurípides. Tradução de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2003.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. Tradução de Órizon Carneiro Muniz. Rio de Janeiro: Imago, 1999.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. Tradução de Martha Conceição Gambini. Revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

GRIMAL, Pierre. Dicionário da mitologia grega e romana. Tradução de Victor Jabouille. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Cursos de Estética, volume IV. Tradução de Marco Aurélio Werle e Oliver Tolle. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

HILST, Hilda. Da prosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. 2 v.

JOHNSON, Patricia J. Woman’s third face: a psycho/social reconsideration of Sophocles’ “Antigone”. Arethusa, v. 30, n. 2, 1997, p. 369-98.

LACAN, Jacques. A essência da tragédia: um comentário da Antígona, de Sófocles. In: LACAN, Jacques. Seminário, livro 7. A ética da psicanálise, 1959-1960. Texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; versão brasileira Antônio Quinet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. p. 287-338.

LEBRUN, Gérard. O conceito de paixão. In: CARDOSO, Sérgio et al. Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 17-33.

LESKY, Albin. A tragédia grega. Tradução de J. Guinsburg, Geraldo Gerson de Souza e Alberto Guzik. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.

LORAUX, Nicole. Maneiras trágicas de matar uma mulher. Imaginário da Grécia antiga. Tradução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

LORAUX, Nicole. A tragédia grega e o humano. In: NOVAES, Adauto (org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras; Secretaria Municipal de Cultura, 1992. p. 17-34.

MELO E SOUZA, Ronaldes de. A atualidade da tragédia grega. In: ROSENFIELD, Kathrin (org.). Filosofia e literatura: o trágico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. p. 115-40.

MORAES, Eliane Robert. A santa, a saia e o sexo. Três notas sobre uma imagem em Hilda Hilst. Cintilações – Revista de Poesia, Ensaio e Crítica, v. 3, p. 105-13, 2019.

PIMENTEL, Davi Andrade. A literatura de Hilda Hilst na perspectiva de Maurice Blanchot. Dissertação (mestrado em Letras) – Universidade Federal do Ceará, Pós-Graduação em Letras, Fortaleza, 2009.

REINHARDT, Karl. Sophocle. Traduit de l’allemand et préfacé par Emmanuel Martineau. Paris: Les éditions de Minuit, 1971.

ROSENFIELD, Kathrin H. Sófocles & Antígona. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

SÓFOCLES. Antígone de Sófocles. Tradução e introdução de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2009.

SOUSA, Eudoro de. Uma leitura de Antígona. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1978.

VERNANT, Jean-Pierre. Tensões e ambiguidades na tragédia grega. In: VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia antiga I e II. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 1999. p. 7-24.

Downloads

Publicado

2022-03-24

Como Citar

Leitão, A. (2022). Entre eros e a morte, a paixão desmedida de Antígona e de Maria Matamoros. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 35(1), 1–20. https://doi.org/10.24277/classica.v35i1.979