A crítica contemporâna a Heráclito

Marcelo de Souza Cleto

Resumo


O debate contemporâneo a respeito da importância de Heráclito tem apresentado uma valorização dos elementos antropológicos, contribuindo para a reavaliação da tendência que enfatizava os aspectos cosmológicos e físicos da filosofia pré-socrática, aquela que modulou basicamente a historiografia da filosofia antiga, na qual os elementos da natureza (physis) eram refletidos conforme a conjuntura epistemológica do final do século XIX e início do XX. Dentre a numerosa crítica contemporânea, podem-se destacar, especialmente, os estudos de Voegelin, Snell e Jaeger, que expressam as tensões que ocorreram nos estudos heraclitianos. Considerando esse cenário epistemológico e hermenêutico, além de adotar o reordenamento dos fragmentos efetuado por Charles H. Kahn em detrimento ao de Diels, o presente artigo examina o esforço contemporâneo que busca alcançar nos registros de Éfeso os indícios da antropologia filosófica.


Palavras-chave


Heráclito; recepção contemporânea da Antiguidade; antropologia filosófica; filosofia antiga; filosofia política

Texto completo:

PDF

Referências


CORDERO, Néstor Luis. A invenção da filosofia. Tradução: Eduardo Wolf. Revisão técnica: Alexandre S. de Santi. São Paulo: Odysseus Editora, 2011.

GAZOLLA, Raquel. Pensar mítico e filosófico: estudos sobre a Grécia Antiga. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

______. El fragmento 45 de Heráclito: reflexiones acerca de La psyché. Mimeo. São Paulo – Cochabamba, 2000.

HERÁCLITO. Fragmentos. Tradução: José Cavalcante de Souza. Editora Nova Cultural: São Paulo, 1996.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. 2. ed. Tradução: Jaa Torrano. São Paulo, Iluminuras, 2012.

HOMERO. Odisseia. Tradução: Donaldo Schuller. Porto Alegre: L&PM, 2011. 3 v.

______. Ilíada. Tradução: Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin Classics / Companhia das Letras, 2013.

JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico. Tradução: Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. São Paulo: Editora Cultrix, 2011.

JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. 3. ed. Tradução: Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

KAHN, Charles H. A arte e o pensamento de Heráclito: uma edição dos fragmentos com tradução e comentário. Tradução: Élcio de Gusmão Verçosa Filho. Revisão técnica: Rachel Gazolla. São Paulo: Paulus, 2009.

REALE, Giovanni. História da filosofia grega e romana. Tradução: Henrique Cláudio de Lima Vaz e Marcelo Perine. São Paulo: Edições Loyola, 2007. 9 v.

SNELL, Bruno. A descoberta do espírito. Tradução Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2003.

VAZ, Henrique Cláudio de Lima. Antropologia filosófica. Vol. II. São Paulo: Edições Loyola, 1992.

______. Antropologia filosófica. Vol. I. 11. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

VOEGELIN, Eric. Order and history: the world of the polis. Vol. II. Columbia: University of Missouri Press, 2000.

______. Ordem e história. O mundo da polis. Vol. II. Tradução: Luciana Pudenzi. Revisão técnica: Marcelo Perine. São Paulo: Edições Loyola, 2009a.

______. Anamnese. Da teoria da história e da política. Tradução: Elpídio Mário Dantas Fonseca. São Paulo: É Realizações, 2009b.

WOLFF, Francis. Dois destinos possíveis da ontologia: a via categorial e a via física. Analytica, volume 1, número 3, 1996, pp. 179-225.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v28i1.93

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Marcelo de Souza Cleto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional