Romance de Alexandre: as implicações da sua “pseudoficcionalidade” na história do gênero

Pedro Dolabela Chagas

Resumo


Pela definição de Gregory Currie, o Romance de Alexandre é uma “pseudoficção”: um texto que hoje se dá a ler como ficcional, mas que originalmente possuía certo status de verdade, num limiar incerto entre a ficção, a história e a lenda. Isso pode fazer com que ele não pareça exemplar de um gênero que, em regra, tem a ficcionalidade como atributo constitutivo. Esse é, no entanto, um pressuposto que este artigo pretende reabrir, indicando: 1) a concepção tradicional da história do romance que lhe subjaz, a ser substituída, aqui, pela proposição da poligênese do gênero; 2) a discussão sobre o lugar da ficcionalidade num conceito renovado de romance, que atenda ao aumento do corpus implicado na teoria da poligênese. A partir desse enquadramento da teoria e da história do romance, passando pela teoria da ficção, o artigo propõe que, se a marginalidade inicial do romance na cultura erudita se deveu, entre outros motivos, à ambiguidade epistêmica da ficção perante o saber institucionalizado, o status epistêmico ambíguo do Romance de Alexandre pode ter sido importante para a formação do romance, gênero que cavaria para a ficção um domínio social rotinizado. A “pseudoficcionalidade” daquele texto teria colaborado para abrir espaço, no campo letrado, para a exploração aberta da ficcionalidade, assegurando, retrospectivamente, o seu lugar na história do romance.


Palavras-chave


Romance de Alexandre; poligênese do romance; teoria do romance; teoria da ficção.

Texto completo:

PDF

Referências


BORTOLUSSI, Marisa; DIXON, Peter. Psychonarratology: Foundations for the Empirical Study of Literary Response. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

CHAGAS, Pedro; OKIMOTO, Mariana. O conceito de romance e o romance na história. Revista Eutomia, n. 18, v. 1, p. 20-41, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/EUTOMIA/article/view/13376

CURRIE, Gregory. The nature of fiction. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

GERRIG, Richard J. Experiencing Narrative Worlds: On the Psychological Activities of Reading. New Haven: Yale University Press, 1993.

HÄGG, Thomas. The novel in Antiquity. Berkeley: University of California Press, 1991.

MORETTI, Franco (org.). The Novel. Princeton: Princeton University Press, 2006. v. 1.

PAVEL, Thomas. The lives of the novel – a history. Princeton: Princeton University Press, 2013.

RESINA, Joan Ramón. The short, happy life of the novel in Spain. In: MORETTI, Franco (org.). The Novel. Princeton: Princeton University Press, 2006. v. 1, p. 291-312.

SPACKS, Patricia Meyer. Novel Beginnings. Experiments in eighteenth-century English fiction. New Haven: Yale University Press, 2006.

THOMASSON, Amie. Fiction and metaphysics. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v33i1.899

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Pedro Dolabela Chagas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional