Antiguidade oriental no Brasil: relatos de pesquisa do “LEAO”

Katia Maria Paim Pozzer

Resumo


A participação do Laboratório de Estudos da Antiguidade Oriental (LEAO) no I Seminário dos Grupos de Estudo da Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos teve como objetivo principal visibilizar a produção científica do LEAO e articular sua atuação junto aos demais núcleos brasileiros, bem como consolidar a UFRGS como um polo de pesquisa na área dos estudos da Antiguidade no Brasil. O LEAO, criado em março de 2017, está vinculado ao Programa de Pós-graduação em História e ao Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e tem como foco a pesquisa da antiga Mesopotâmia, ao longo dos três mil anos de história, e sua relação com as demais civilizações do Antigo Oriente Próximo. O grupo propõe o debate e a reflexão crítica sobre a história antiga oriental, discutindo questões contemporâneas e lançando um novo olhar sobre um passado do qual conservamos uma importante herança cultural.


Palavras-chave


Mesopotâmia

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Ana Maria Valente. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007.

BARBOSA, T. V. R.; CHIARINI, Ana; PALMA, Anna. Teatro e Tradução de Teatro. Belo Horizonte: Relicário Edições, 2017-2019. v. 1-2.

BOROWSKI, Gabriel. Oralidade e auditividade: tentativa de um mapeamento teórico. Miscelânea, Assis, v. 21, p. 31-50, 2017.

BRUYAS, Jean-Paul. Técnicas, Estruturas e Visão em Grande Sertão: Veredas. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. 18, p. 75-92, 1976. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i18p75-92.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011 [1955].

CHARLES, Daniel. Présentation du livre Le temps de la voix. Émission “Matinée des Autres”, France Culture, 20 déc. 1978. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qPq0Sd_otBY. Acesso em 14/03/2019.

CASCUDO, Luís Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Ediouro, 1972.

HAVELOCK, Eric A. Oral composition in the Oedipus Tyrannus of Sophocles. New Literary History, v. 16, n. 1, p. 175-197, 1984. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/468781. Acesso em: 12/06/2014.

KOSOVISKI, R. A mesa para a cena? Olhares: Revista da Escola Superior de Artes Célia Helena, n. 1, p. 62-65, 2009.

MELLO, Amanda; BARBOSA, T. V. R.; PALMA, Anna et al. Tradução de teatro: um paradigma a partir do El borde, de Amancay Espíndola. Tradução em Revista, v. 20, p. 1-18, 2016.

MESCHONNIC, Henri. Linguagem, ritmo e vida. Extratos traduzidos por Cristiano Florentino. Revisão de Sônia Queiroz. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.

MESCHONNIC, Henri. Ethics and Politics of Translating. Translated and edited by Pier-Pascale Boulanger. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2011.

MOSCATO, Enzo. Degolarratos. Tradução de Anita Mosca. Belo Horizonte: Relicário Edições, 2016.

NOUSS, Alexis. Preface. In: MESCHONNIC, Henri. Ethics and Politics of Translating. Translated by Pier-Pascale Boulanger. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2011. p. 1-9.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. In: ______. Ficção Completa. Organização de Eduardo F. Coutinho. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2009. v. 2, p. 7-395.

Suidae Lexicon: post Ludolphum Kusterum ad codices manuscriptos. Oxford: Typographeo Academico, 1834. v. 2.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução de Amálio Pinheiro e Jerusa Pires Ferreira. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v32i2.856

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Katia Maria Paim Pozzer

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional