Iliadeia: um périplo da Ilíada traduzida no Brasil (Ensaio Ficcional)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v32i1.844

Palavras-chave:

Homero, Ilíada, tradução poética, recriação.

Resumo

O tema deste texto, “recriações da Ilíada como vias para o tradutor”, é abordado mediante um ensaio ficcional, exercício criativo em que os personagens são tradutores brasileiros da epopeia homérica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Tápia, Universidade de São Paulo

Professor do Programa de Pós-Graduação em Letras Estrangeiras e Tradução (LETRA), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

Diretor da Rede de Museus-Casas Literários de São Paulo.

Referências

ALVARENGA, Manuel Inácio da Silva. Obras poéticas. Introdução, organização e fixação de texto de Fernando Morato. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ANTUNES, Carlos Leonardo Bonturim. Três modos de recepção dos clássicos. Revista Re-Produção, n. 5, 2018. Disponível em: http://www.casaguilhermedealmeida.org.br/revista-reproducao/ver-noticia.php?id=100. Acesso em: 31 mar. 2019.

BARBOSA, Tereza Virgínia R.; CAETANO, Andreza; BAGNARIOL, Piero. Ilíada de Homero. Tradução em quadrinhos. Belo Horizonte: RHJ, 2012.

CAMPOS, Haroldo de. Crisantempo. São Paulo: Perspectiva, 1999.

CAMPOS, Haroldo de. Da tradução como criação e como crítica. In: TÁPIA, Marcelo; NÓBREGA, Thelma M. (Org.). Haroldo de Campos – Transcriação. São Paulo: Perspectiva, 2013, p. 1-18.

CAMPOS, Haroldo de. Ilíada de Homero. São Paulo: Arx, 2002. v. 2.

CAMPOS, Haroldo de. Ilíada de Homero. São Paulo: Mandarim, 2002. v. 1.

CAMPOS, Haroldo de. Para transcriar a Ilíada. In: ______; VIEIRA, Trajano. A ira de Aquiles. São Paulo: Perspectiva, 1994, p. 11-28.

CAMPOS, Haroldo de. Signantia quasi coelum. Signância quase céu. São Paulo: Perspectiva, 1979.

CAMPOS, Haroldo de. Xadrez de estrelas. Percurso textual 1949-1974. São Paulo: Perspectiva, 1976.

DUARTE, Adriane da Silva. Memorial. A Ilíada residual de Alice Oswald. Revista Re-Produção, n. 5, 2018. Disponível em: http://www.casaguilhermedealmeida.org.br/revista-reproducao/ver-noticia.php?id=101. Acesso em 31 mar. 2019.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

HESÍODO. Teogonia. A origem dos deuses. Tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2003.

HOMERI Opera. Ilias. Thomas W. Allen (Ed.). Oxford: Clarendon Press, 1920. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=urn:cts:greekLit:tlg0012.tlg001.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Christian Werner. São Paulo: Ubu, 2018.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Odorico Mendes. Prefácio e notas verso a verso de Sálvio Nienkötter. São Paulo: Ateliê; Campinas: Unicamp, 2008.

HOMERO. Ilíada. Tradução em versos de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, s.d.

LOPES, Daniel Rossi Nunes. Xenófanes de Cólofon. Fragmentos. São Paulo: Olavobrás, 2003.

MALTA, André. A astúcia de Ninguém. Ser e não ser na Odisseia. Belo Horizonte: Impressões de Minas, 2018.

MALTA, André. A selvagem perdição. Erro e ruína na Ilíada. São Paulo: Odysseus, 2006.

NUNES, Carlos Alberto. Ensaio sobre a poesia épica. In: ______. Os brasileidas. São Paulo: Melhoramentos, s.d., p. 5-59.

NUNES, Carlos Alberto. Os brasileidas. São Paulo: Melhoramentos, s.d.

OLIVA NETO, João Angelo. Breve anatomia de um clássico. In: VIRGÍLIO. Eneida. Tradução de Carlos Alberto Nunes. Organização, apresentação e notas de João Angelo Oliva Neto. São Paulo: Editora 34, 2014, p. 9-34.

OLIVA NETO, João Angelo. O hexâmetro datílico de Carlos Alberto Nunes: teoria e repercussões. Revista Letras, n. 89, p. 187-204, 2014.

OLIVA NETO, João Angelo. O livro de Catulo. Tradução, introdução e notas. São Paulo: Edusp, 1996.

TÁPIA, Marcelo. Diferentes percursos de tradução da épica homérica como paradigmas metodológicos de recriação poética. 2012. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária e Literatura Comparada, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8151/tde-31082012-090500/pt-br.php. Acesso em 31 mar. 2019.

TÁPIA, Marcelo. Poemas irlandeses. Cadernos de literatura em tradução, n. 7, p. 85-107, 2006.

TÁPIA, Marcelo. Refusões. Poesia 2017-1982. São Paulo: Perspectiva, 2017.

TORRANO, Jaa. A dialética trágica na Oresteia de Ésquilo. In: ÉSQUILO. Agamêmnon. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2004.

TORRANO, Jaa. A esfera e os dias. São Paulo: Annablume, 2009.

TORRANO, Jaa. Divino gibi. Crítica da razão sapiencial. São Paulo: Annablume, 2017.

WERNER, Christian. Da tradução. In: HOMERO. Ilíada. Tradução de Christian Werner. São Paulo: Ubu, 2018a, p. 43-66.

WERNER, Christian. Introdução. In: HOMERO. Ilíada. Tradução de Christian Werner. São Paulo: Ubu, 2018b, p. 13-42.

Downloads

Publicado

2019-08-15

Como Citar

Tápia, M. (2019). Iliadeia: um périplo da Ilíada traduzida no Brasil (Ensaio Ficcional). Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 32(1), 269–295. https://doi.org/10.24277/classica.v32i1.844

Edição

Seção

Dossiê Recepção Antiga e Moderna da Ilíada