A apropriação da Ilíada na epopeia virgiliana

Paulo Sérgio de Vasconcellos

Resumo


Desde pelo menos Sérvio e Macróbio (século IV-V), costuma-se ver na estrutura da Eneida de Virgílio uma divisão em duas partes de acordo com o objeto de imitação homérico: a primeira constituiria uma espécie de Odisseia do protagonista Eneias (narrando seus errores, conforme Sérvio); a segunda, que narra gestas bélicas (de bello), sua Ilíada. Tem-se apontado que essa divisão não é estanque, havendo imitação significativa da Ilíada na primeira parte da Eneida e da Odisseia na segunda. Em 1989, num capítulo de seu Virgil’s Augustan epic, Francis Cairns, em oposição à bipartição tradicionalmente aceita pelos estudiosos, defendia que a Eneida é estruturada como uma Odisseia com momentos iliádicos; mais recentemente, em 2012, em seu Virgil’s Homeric lens, Edan Dekel apresentou uma espécie de versão mais refinada dessa interpretação, mostrando como a Ilíada comparece na Eneida mediada pela Odisseia. Neste artigo, voltaremos a essa questão para ressaltar a importância da Ilíada na epopeia virgiliana. De forma sutil (rítmica, sonora, temática), a Ilíada já ecoa na proposição da Eneida, o que é significativo; a ira de Juno ecoa, como os estudiosos têm mostrado, a de Aquiles; ao final da epopeia, intertextualmente, o leitor é levado a projetar sobre Eneias a sombra de um Aquiles raivoso: esses dois momentos-chave nos fazem refletir sobre a importância da Ilíada na apropriação de Homero por Virgílio e é esse aspecto da imitação virgiliana que destacaremos, como uma espécie de contraponto às análises que veem na Odisseia o modelo maior da Eneida.


Palavras-chave


Virgílio; Eneida; Homero; Ilíada; recepção.

Texto completo:

PDF

Referências


BARCHIESI, Alessandro. Homeric effects in Vergil’s narrative. Tradução de Ilaria Marchesi e Matt Fox. Princeton: Princeton University Press, 2015. Originalmente em italiano: La traccia del modelo. Effetti omerici nella narrazione virgiliana. Pisa: Giardini, 1984.

BOYD, Barbara Weiden. Tum pectore sensus vertuntur varii: reading and teaching of the end of the Aeneid. In: ANDERSON, William S.; QUARTARONE, Lorina N. (Ed.). Approaches to teaching Vergil’s Aeneid. New York: The Modern language Association of America, 2002, p. 80-86.

CAIRNS, Francis. Virgil’s Augustan epic. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

CAMPOS, Haroldo de. Ilíada de Homero. São Paulo: Mandarim, 2001.

CAMPS, Anthony. Lettura del primo libro dell’Eneide. In: GIGANTE, Marcello (Ed.). Lecturae vergiliane. L’Eneide. Napoli: Giannini, 1983.

CONTE, Gian Biagio (Ed.). Memoria dei poeti e sistema letterario. Palermo: Sellerio, 2012.

CONTE, Gian Biagio. P. Vergilius Maro. Aeneis. Berlin: De Gruyter, 2011.

FEDELI, Paolo (Ed.). Propertius. Stuttgart: Teubner, 1994.

FLORES, Guilherme Gontijo (Org.). Elegias de Sexto Propércio. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

GIANCOTTI, Francesco. Victor tristis. Lettura dell’ultimo libro dell’ Eneide. Bologna: Pàtron, 1993.

GRUMMOND, W. W. de. Saevus dolor: the opening and the closing of the ‘Aeneid’. Vergilius, v. 27, p. 48-52, 1981.

HARDIE, Philip R. Virgil’s Aeneid. Cosmos and imperium. Oxford: Clarendon Press, 1989.

HARRISON, Stephen. Some generic problems in Horace’s Epodes. In: CAVARZERE, Alberto; ALONI, Antonio; BARCHIESI, Alessandro (Ed.). Iambic ideas. Essays on a poetic tradition from archaic Greece to the late Roman empire. Lanham: Rowman & Littlefield, 2001, p. 172-73.

HEYWORTH, Stephen J. Cynthia. A companion to the text of Propertius. Oxford: Oxford University Press, 2009.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Odorico Mendes. Prefácio e notas de Sálvio Nienköter. Cotia: Ateliê; Campinas: Unicamp, 2008.

JOHNSON, W. R. Darkness visible. A study of Vergil’s Aeneid. Berkeley: University of California Press, 1976.

LEVITAN, W. Give up the beginning? Juno’s mindful wrath (Aeneid 1.37). Liverpool Classical Monthly, v. 18, p. 1-15, 1993.

LYNE, R.O.A.M. Further voices in Vergil’s Aeneid. Oxford: Clarendon Press, 1992.

MARINONE, Nino (Ed.). I saturnali di Macrobio Teodosio. Torino: UTET, 1987.

MOST, Glenn W. Memory and forgetting in the Aeneid. Vergilius, v. 47, p. 148-70, 2001.

O’HARA, James. True names. Vergil and the Alexandrian tradition of etymological wordplay. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 1996.

O’HARA, James. The Unfinished Aeneid? In: FARRELL, Joseph; PUTNAM, Michael C. J. (Ed.). A companion to Virgil’s Aeneid and his tradition. Malden: Wiley-Blackwell, 2010, p. 96-106.

PUTNAM, Michael. The poetry of the Aeneid. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1965.

SEIDER, Aaron M. Memory in Vergil’s Aeneid. Creating the past. Cambridge: University Press, 2013.

TARRANT, R. (Ed.). Virgil Aeneid Book XII. Cambridge: University Press, 2012.

THILO, Georg; HAGEN, Hermann (Ed.). Servii grammatici qui feruntur in Vergilii carmina commentarii. Hildesheim: Georg Olms, 1986. v. 1.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. A sound play on Aeneas’ name in the Aeneid. A brief note on VII.69. Vergilius, v. 61, p. 125-29, 2015.

VIRGÍLIO. Eneida. Traduzida por Barreto Feio e José Maria da Costa e Silva. São Paulo: Cultrix, 2004.

WEBER, Clifford. Metrical Imitation in the proem of the Aeneid. Harvard Studies in Classical Philology¸ v. 91, p. 261-71, 1987.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v32i1.838

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Paulo Sérgio de Vasconcellos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional