In media barbaria, ille ego romanus vates: etnografia e autoridade nos Tristia de Ovídio

Autores

  • Cecilia Marcela Ugartemendía Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas Universidade de São Paulo http://orcid.org/0000-0002-0395-7786

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v33i1.832

Palavras-chave:

Tristia, Ovídio, etnografia, autoridade poética.

Resumo

Durante seu exílio em Tomos, Ovídio escuda-se na ideia de declínio poético e linguístico, causado pela hostilidade do entorno. A adversidade do lugar em que deve cumprir a relegatio é o argumento para justificar a queda na qualidade de sua produção poética. Neste trabalho, propomos analisar aspectos da descrição etnográfica e geográfica apresentada por Ovídio nos Tristia 3.10 e 5.7, com o objetivo de adicionar mais elementos à longa tradição de estudos dedicados a demonstrar que a ideia de declínio é mais um artificio retórico na construção da persona relegata. Para tanto, a discussão será delimitada pela construção do eu poético como autoridade no tratamento do sofrimento do exílio. Em primeiro lugar, são analisados trechos de Tr. 3.10, dedicados à descrição etnográfica e geográfica da Cítia, na qual se destaca o manejo da sintaxe mimética. Em seguida, oferecemos diferentes observações sobre a já muito comentada intertextualidade entre esta epístola e a descrição da Cítia oferecida por Vírgilio em Geórgicas 3.349-83, destacando que as diferenças entre uma e outra descrição atendem à construção da autoridade de Ovídio como exilado, inclusive ao se arrogar o “direito de corrigir” o poeta anterior. Em segundo lugar, buscamos comprovar que, em Tr. 5.7, Ovídio relegatus continua a se construir como autoridade, reivindicando, no meio de sua aparente barbarização, seu lugar como grande Romanus vates.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecilia Marcela Ugartemendía, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas Universidade de São Paulo

Doutoranda em Letras Clássicas na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), com bolsa FAPESP. Mestra em Letras Clássicas pela FFLCH/USP. Bacharela e Licenciada em Letras, com habilitação em Letras Clássicas (Latim e Grego) pela Facultad de Filosofía y Letras da Universidad de Buenos Aires (FFYL/UBA). Foi bolsista FAPESP durante o mestrado (2014-2016) e realizou estágio de pesquisa na Scuola Normale Superiore di Pisa com bolsa BEPE/FAPESP. Como bolsita FAPESP de doutorado, realizou período de pesquisa na University of Pennsylvania, em Filadélfia, com bolsa BEPE/FAPESP. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas e Culturas Clássicas e Língua e Literatura espanholas e Latino-americanas. Foi aprovada em primeiro lugar no processo seletivo para contratação de professor substituto do Instituto de Letras e Linguística - ILEEL- da Universidade Federal de Uberlândia (edital 029/2019) na área de Literaturas de Língua Espanhola; Língua Espanhola; Práticas de Ensino de Espanhol como Língua Estrangeira. Foi assistente da cátedra Língua e Cultura Latinas (Schniebs) da FFYL / UBA, desenvolvendo projeto de pesquisa sobre Ovídio.

Referências

ANDRÉ, Jacques. Epistulae ex Ponto (Pontiques). Texte établi et traduit par J. ANDRÉ. Paris: Les Belles Lettres, 1977.

BURKOWSKI, Jane M. C. The symbolism and rhetoric of hair in Latin elegy. Thesis (Doctor of Philosophy in Classical Languages and Literature) – DPhil in Classical Languages and Literature, University of Oxford, Oxford, 2012. Disponível em: https://ora.ox.ac.uk/objects/uuid:44e36b32-8c44-4dd0-8241-3206e40e67f9. Acesso em: 22 mar. 2020.

CASALI, Sergio. Quaerenti plura legendum: on the necessity of “reading more” in Ovid’s exile poetry. Ramus, v. 26, n. 1, p. 80-112, 1997.

CLAASSEN, Jo Marie. Displaced persons: the literature of exile from Cicero to Boethius. London: Duckworth, 1999.

CLAASSEN, Jo Marie. Ovid’s poems from exile: the creation of a myth and the triumph of poetry. Antike und Abendland, v. 2, n. 34, p. 158-69, 1988.

CLAASSEN, Jo Marie. Ovid’s poetic Pontus. Papers of the Leeds International Latin Seminar, v. 6, p. 29-45, 1990.

CLAASSEN, Jo Marie. Tristia. In: KNOX, P. (ed.). A companion to Ovid. London: Blackwell, 2009.

COMMAGER, Steele. The odes of Horace. A critical study. Norman: The University of Oklahoma Press, 1962.

EVANS, Harry B. Winter and warfare in Ovid’s Tomis: (Tristia 3.10). The Classical Journal, v. 70, n. 3, p. 1-9, 1975.

GALASSO, Luigi. The Ars poetica of Horace in Ovid’s exile poetry. Materiali e discussioni per l’analisi dei testi classici, n. 72, p. 193-205, 2014.

HELZLE, Martin. Bryn Mawr Classical Review to Gareth Williams, The curse of exile: a study of Ovid’s Ibis. BMCR, 1997. Disponível em: https://bmcr.brynmawr.edu/1997/1997.07.05/.Acesso em: 22 mar. 2020.

HELZLE, Martin. Publii Ovidii Nasonis Epistularum ex Ponto liber IV. Hildescheim: Olms, 1989.

HINDS, Stephen. Seneca’s Ovidian Loci. Studi Italiani di Filologia Classica, quarta serie, v. 9, p. 5-63, 2011.

HOLZBERG, Niklas. Ovid: the poet and his work. Ithaca: Cornell University Press, 2006.

INGLEHEART, Jennifer. Ovid, the error and the theme of sight in Tristia 2. Materiali e discussioni per l’analisi dei testi classici, n. 56, p. 63-86, 2006.

LATEINER, Donald. Mimetic syntax: metaphor from word order, especially in Ovid. The American Journal of Philology, v. 111, n. 2, p. 204-37, 1990.

LUCK, G. P. (ed.). Ovidius Naso, Tristia. Heidelberg: Carl Winter, 1967. v. 1.

MARTIN, Anna Julia. Was ist exil? Ovids Tristia und Epistulae ex Ponto. Hildescheim: Olms, 2001. (Spudasmata, 99.).

MICHALOPOULOS, Andreas. Famaque cum domino fugit ab urbe suo: aspectos da fama na poesia de exílio de Ovídio. Codex, v. 4, n. 1, p. 79-95, 2016. DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v4i1.3336

NAGLE, Betty Rose. Ovid’s Fasti: Roman holidays. Bloomington: Indiana University Press, 1995.

NAGLE, Betty Rose. The poetics of exile: program and polemic in the Tristia and Epistulae ex Ponto of Ovid. Bruxelas: Latomus, 1980. (Latomus, 170).

NATOLI, Bartolo. Silenced voices. The poetics of speech in Ovid. Madison: The Wisconsin University Press, 2017.

ROSATI, Gianpiero. P. Ovidii Nasonis Heroidum Epistulae XVIII-XIX Leander Heroni - Hero Leandro. Firenze: Le Monnier, 1996.

SINDIKUS, Hans Peter. The Roman Odes. In: DAVIS, G. (ed.). A companion to Horace. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.

STANFORD, William Bedell. The sound of Greek. Cambridge: Cambridge University Press, 1967.

THIBAULT, John C. The mystery of Ovid’s exile. Berkeley: University of California Press, 1964.

THOMAS, Richard. Lands and people in Roman poetry: the ethnographical tradition. Cambridge: Cambridge Philological Society, 1982.

TREVIZAM, Matheus; AVELLAR, Julia. B. C. Os citas e a Cítia em Geórgicas 3.349-383 e em Tristia 3.10: permanência de parâmetros e intertextualidade. PhaoS, v. 16, p. 105-23, 2016. https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/phaos/article/view/9437

WILLIAMS, Garreth. Banished voices: readings in Ovid’s exile poetry. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

WILLIAMS, Garreth. The curse of exile: a study of Ovid’s Ibis. Cambridge: Cambridge Philological Society, 1996.

Downloads

Publicado

31-05-2020

Como Citar

Ugartemendía, C. M. (2020). In media barbaria, ille ego romanus vates: etnografia e autoridade nos Tristia de Ovídio. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 33(1), 51–68. https://doi.org/10.24277/classica.v33i1.832

Edição

Seção

Artigos