Gandavo e os Clássicos: entre mimese e imitatio

Marcus Bacamarte

Resumo


Este artigo apresenta uma relação entre a crônica dos descobrimentos no século XVI, e a tradução clássica, a partir da obra de Pero de Magalhães Gandavo. Seguindo o percurso da mimese, na cultura grega, e sua posterior redução a imitatio a partir da cultura romana e especialmente no século XVI, procura-se apreender as relações entre história e ficção e o papel do desejo como intérprete na compreensão européia da América.


Palavras-chave


imitatio; história; ficção; descobrimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Arte Poética. São Paulo: Ediouro, [s/d.].

COSTA LIMA, Luiz. O Controle do Imaginário. São Paulo: Brasiliense, 1984.

EURIPEDES. Alceste-Andrômaca-Íon-As Bacantes. Lisboa; São Paulo: Verbo, 1973.

FREITAS, Marcus Vinicius de (Marcus Bacamarte). A Descoberta da Ficção: a crônica e o Brasil no século XVI. 1990. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: 1990.

GANDAVO, Pero de Magalhães. Tratado da Terra do Brasil- História da Província de Santa Cruz. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980.

IÑIGO, Emílio Lledó. El Concepto “Poiesis” en La Filosofia Griega. Madrid: Consejo Superior de Insvestigaciones Cientificas, 1961.

LE GOFF, Jacques. O Maravilhoso e o Quotidiano no Ocidente Medieval. Lisboa: Edições 70, 1985.

PLATÃO. República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Calouste GulbenKian, 1983.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.831

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Marcus Bacamarte

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional