Isidoro de Sevilha e a Espanha Visigótica

Autores

  • Daniel Valle Ribeiro Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.827

Palavras-chave:

Idade Média, Doutrina política, Teocracia.

Resumo

Após a queda do Império Romano, a Igreja procura definir a atribuição dos poderes em termos de estreita unidade, isto é, sem distinguir o temporal do espiritual. Isidoro de Sevilha aparece como o grande mestre da teologia política da Alta Idade Média. Livra a realeza espanhola de seu “pecado original”: liberta-se de sua inferioridade diante do Império e exorciza as lembranças nocivas. Ao “inventar” a realeza cristã, confere legitimidade própria às realezas que se constituem no Ocidente. Mas a noção de serviço que o cristianismo atribui ao poder torna o Estado um instrumento de salvação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1992-12-20

Como Citar

Ribeiro, D. V. (1992). Isidoro de Sevilha e a Espanha Visigótica. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 161–168. https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.827

Edição

Seção

Artigos