O que era para ser ensaio sobre uma nova leitura da essência

Autores

  • Maria do Carmo Bettencourt de Faria Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.815

Resumo

Pretendemos no decorrer deste trabalho mostrar que a expressão – o que era para ser – traduz melhor que qualquer outra até aqui proposta, a expressão grega tò tí ên einai, fartamente empregada por Aristóteles em suas análises sobre o Ser. Para isso, examinaremos a tradução tradicional desta expressão por essência e as críticas a ela feitas por alguns autores contemporâneos. Examinaremos a seguir algumas das alternativas de tradução propostas tentando apreender seu sentido. Por fim, mostraremos como pela nova tradução se espelha com clareza e precisão o sentido apontado pelos críticos, substituindo no próprio corpus aristotético o termo essência pela expressão proposta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTOTELES. La Metafísica. Trad. y introd. de García Yebra. Madri: Ed. Gredos, 1982.

ARISTOTELES. La Métaphysique. Trad. introd. et comm. de J. Tricot. Paris: Vrin, 1953.

AUBENQUE, P. La Prudence chez Aristote. Paris: Vrin, 1976.

AUBENQUE, P. Le Problème de l’'Étre chez Aristote. Paris: PUF 1977.

BOHEM, R. Le Fondamental et l’Essential. Paris: Gallimard, 1976.

ELORDUY. El dativo del ser abstracto tipo tò ti megéthai eînai. Emérita, Madrid, n. 10, 1942.

GILSON, Etienne. A existência na Filosofia de Sto. Tomás. Rio: Agir, [s/d.].

GILSON, Etienne. L’Étre et l’Essence. Paris: Vrin, 1972.

HEIDEGGER, Martin. Les Problèmes Fondamentaux de la Phénomenologie. Paris: Gallimard, 1975.

ROSS. Aristotle’s Metaphysics. Oxford: Claredon Press, 1924.

SCHWEGLER, R. Aristoteles Metaphysik. Text, Uebersetzung und commentar mit Erlaut. Tubinguen: [s.n.], 1847.

WAITZ, Th. Aristoteles Organon Graece. Leipzig: Teubner, 1844-1846.

Downloads

Publicado

1992-12-20

Como Citar

Faria, M. do C. B. de. (1992). O que era para ser ensaio sobre uma nova leitura da essência. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 55–61. https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.815

Edição

Seção

Artigos