Os padrões funerários da necrópole púnica de Lilibeu (Sicília - Séc. IV a.C.): tradição fenício-púnica e assimilações indígenas e helênicas

Autores

  • Adriana Anselmi Ramazzina Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.790

Palavras-chave:

Lilibeu, arqueologia funerária, cerâmica, necrópole púnica.

Resumo

A investigação arqueológica de um contexto funerário baseia-se na análise de seus componentes fundamentais: a estrutura da sepultura, a forma de deposição do morto e O mobiliário funerário. Assim; com a análise da composição do mobiliário funerário cerâmico de um conjunto representativo de sepulturas da necrópole púnica de Lilibeu, delineamos alguns aspectos dos padrões funerários dessa necrópole, como a permanência da tradição fenício-púnica, ao atestarmos a presença de cerâmica de função funerária tipicamente fenícia, como também a constatação de influxos estrangeiros, principalmente helênicos, com a presença de cerâmica de imitação ou de tipo grego.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BISI, A. M. Lilibeo (Marsala) – Scavi nella necropoli dei Cappuccini. Notizie degli Scavi di Antichità, Roma, s. 8a, v. 24, p. 524-559, 1970.

BISI, A. M. La ceramica ellenistica di Lilibeo nel Museo Nazionale di Palermo. Archeologia Classica, Roma, v. 19, n. 2, p. 254-292, 1967.

COOK, R. M. Greek Painted Pottery. London: Methuen, 1966.

WEINBERG, S. S. Ceramics and the supernatural: cult and burial evidence in the Aegean Wor1d. In: MATSON, F. R. (Ed.). Ceramics and Man. Chicago: Aldine Publishing Co, 1965. p. 187-201.

Downloads

Publicado

13-12-1993

Como Citar

Ramazzina, A. A. (1993). Os padrões funerários da necrópole púnica de Lilibeu (Sicília - Séc. IV a.C.): tradição fenício-púnica e assimilações indígenas e helênicas. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 337–344. https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.790

Edição

Seção

Artigos