O conceito de variação lingüística nas teorias da linguagem na Índia antiga

Autores

  • Carlos Alberto da Fonseca Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.761

Palavras-chave:

Sânscrito, Variação lingüística, Lingüística indiana.

Resumo

O autor alinhava, com alguns exemplos extraídos da fonologia, da fonética, da semântica, da morfologia e da sintaxe sânscritas, alguns argumentos para a corroboração da idéia de que toda a teoria lingüística desenvolvida na Índia antiga estava baseada na constatação da variação lingüística experimentada na vida cotidiana e representada ao longo do tempo nas mais variadas formas assumidas pela língua indiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASTÃDHYÃYI of Pãnini. Delhi: Motilal Banarsidass, 1989, p. 1020.

SARUP, Lakshman. The Nighantu and the Nirukla. Delhi: Motilal Banarsidass, 1967 (1926). 1.15, p. 16.

WHITNEY, W. O. The Taittiriya-pratisãkhya. Delhi: Motilal Banarsidass, 1973 (New Haven, 1868).

Downloads

Publicado

1993-12-13

Como Citar

Fonseca, C. A. da. (1993). O conceito de variação lingüística nas teorias da linguagem na Índia antiga. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 101–108. https://doi.org/10.24277/classica.v0i0.761

Edição

Seção

Artigos