A tradutora e o diálogo intermidiático em Antigonick de Anne Carson

Rodrigo Tadeu Gonçalves, Julia Nascimento

Resumo


Antigonick (2012) é a tradução da dramaturga, escritora e tradutora canadense Anne Carson para a tragédia Antígona de Sófocles. No prefácio “the task of the translator of antigone”, em forma de carta/poema direcionada à personagem Antígona, aparecem comentários sobre encenações anteriores, mais especificamente sobre as montagens de Bertolt Brecht e Jean Anouilh, além da composição 4’33”, de John Cage. Este artigo pretende discutir como essas referências intertextuais e intermidiáticas contribuem para uma leitura que englobe a vasta tradição de recepção dos clássicos sem deixar de considerar as particularidades do trabalho da tradutora e do seu comprometimento com a “mulher de palavra”, Antígona. A fim de pensar o diálogo intermidiático no prefácio, utilizam-se especialmente as discussões propostas por Anne Ubersfeld no texto A representação dos clássicos: reescritura ou museu (1978) e o conceito de tradução intersemiótica presente em “Estudos interartes: conceitos, termos, objetivos” (1997) de Claus Clüver. Acredita-se que uma análise atenta do prefácio possa oferecer pistas importantes sobre o processo criativo e sobre a proposta/projeto de tradução empreendido por Carson.


Palavras-chave


intermidialidade; recepção dos clássicos; Anne Carson.

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: ______. Escritos sobre mito e linguagem. Org. Jeanne Marie Gagnebin. Trad. Susana Kampff Lages. São Paulo: Editora 34, 1998.

CARSON, Anne. Antigonick. New York: New Directions, 2012.

CARSON, Anne. Bakkhai. London: Oberon Books, 2015a.

CARSON, Anne. Antigonick. Paperback edition. New York: New Directions, 2015b.

CARSON, Anne. If Not, Winter. Fragments of Sappho. New York: Alfred A. Knopf, 2002.

CARSON, Anne. Electra. Oxford: University Press, 2001.

CLÜVER, Claus. Estudos interartes: conceitos, termos, objetivos. Revista Literatura e Sociedade, v. 2, n. 2, p. 37-55, 1997.

GONÇALVES, Rodrigo T. Édipo, Creonte e a paranoia dos tiranos. Coletivo Praxis. Disponível em: https://coletivopraxis.com.br/2018/10/31/edipo-creonte-paranoia-tiranos/. Acesso em: 27 nov. 2018.

IVÁNOVA, Adelaide. a tarefa do tradutor de antígona (tradução buana). In: MACIEL, Sergio. 3 traduções para o “task of the translator” da Antigonick de Anne Carson. Disponível em: https://escamandro.wordpress.com/2017/01/13/3-traducoes-para-o-task-of-the-translator-da-antigonick-de-anne-carson/. Acesso em: 5 ago. 2018.

LEONARD, Miriam. Tragic Modernities. Harvard: University Press, 2015.

PASCOLATI, Sônia A. V. Faces de Antígona no teatro moderno. Revista Estudos Linguísticos, v. 35, p. 1861-66, 2006.

RICH, Adrienne. Quando da morte acordamos: a escrita como re-visão. Trad. Susana Funck. In: BRANDÃO, Izabel et al. (Org.). Traduções da cultura: perspectivas críticas feministas (1970-2010). Florianópolis: EDUFAL, Editora da UFSC, 2017. p. 64-84.

SIMON, Sherry. Gender in translation: cultural identity and the politics of transmission. New York: Routledge, 1996.

UBERSFELD, Anne. A representação dos clássicos: reescritura ou museu. Trad. Fátima Saadi. Folhetim Teatro do Pequeno Gesto, n. 13, p. 9-37, 2002.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v32i1.737

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Julia Nascimento

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional