Marcelo Marques sobre a aparência e a contradição na República de Platão

Carolina Araújo

Resumo


Este trabalho se propõe a um diálogo com a obra de Marcelo Marques. Trata-se de uma tentativa de reconstrução, a partir de cinco artigos publicados, do que seria o argumento central de um livro sobre aparência e contradição na República de Platão; um livro que nunca veio a público devido à sua morte repentina. Partimos da apresentação do conceito de dialética como análise do aparecer e aplicamo-lo à tripartição da alma, mostrando que ela pode ser entendida como uma classificação de diferentes tipos de desejo. Na sequência, tratamos de explicitar como, segundo Marques, a distinção entre dóxa e epistḗmē, presente no quinto livro da obra, guardaria traços retóricos de exagero. A suposta distinção de seus objetos se reduziria àquela entre manifestações múltiplas e a unidade do ser das coisas. Finalmente, analisamos a tese de que uma teoria da valoração, introduzida no símile entre sol e bem, impede o colapso da distinção ontológica entre ser e aparecer. Um exame crítico dessa interpretação de Marques tem lugar ao longo da exposição, assim como um elogio a esse intérprete audacioso, que não poupou esforços para questionar o que se supôs como doutrina platônica.


Palavras-chave


Marcelo Marques; Platão; República; aparência; contradição.

Texto completo:

PDF

Referências


ANNAS, J. An introduction to Plato’s Republic. Oxford: Oxford University Press, 1981.

BOBONICH, C. Plato’s Utopia Recast: His Later Ethics and Politics. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

DELCOMINETTE, S. Facultés et parties de l’âme chez Platon. Plato, v. 8, 2008.

FERBER, R. Platos Idee des Guten. 2. ed. Sankt Augustin: Academia Verlag, 1989.

KRÄMER, H. Epekeina tes ousias, Zu Platon, Politeia 509b. Archiv für Geschichte der Philosophie, v. 51, p. 1-30, 1969.

LAFRANCE, Y. La théorie platonicienne de la dóxa. Paris; Montréal: Belles Lettres; Bellarmin, 1981.

LORENZ, H. Desire and Reason in Plato’s Republic. Oxford Studies in Ancient Philosophy, v. 27, p. 83-116, 2004.

MARQUES, M. P. Entre aparecer e ser: sobre República V. In: MARTINHO, M. (Org.). I Simpósio de Estudos Clássicos da USP. São Paulo: Humanitas, 2006a. v. 1, p. 247-270.

MARQUES, M. P. Platão, pensador da diferença: Uma leitura do Sofista. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2006b.

MARQUES, M. P. Aparecer e imagem no livro VI da República. In: PERINE, M. (Org.). Estudos Platônicos: Sobre o ser e o aparecer, o belo e o bem. São Paulo: Loyola, 2009. p. 137-166.

MARQUES, M. P. Aparaître et contrariété dans le livre IV de la République. In: BRANCACCI, A.; EL MURR, D.; TAORMINA, D. (Org.). AGLAIA: Autour de Platon: Mélanges offerts à Monique Dixsaut. Paris: Vrin, 2010a. p. 319-333.

MARQUES, M. P. Paradoxo e natureza no livro V da República. Kriterion, UFMG, v. 51, p. 429-440, 2010b.

MARQUES, M. P. Contra a teoria de dois mundos na filosofia de Platão (República V 476e-478e)”. In: CONTE, J.; BAUSCHWITZ, O. (Org.). O que é metafísica? Natal: UFRN, 2011. p. 245-260.

NAGY, G. Comparative Studies in Greek and Indic Meter. Cambridge: Harvard University Press, 1974.

NARTORP, P. Platos Ideenlehre: eine Eiführung in den Idealismus. Hamburg: Felix Meiner, 1994.

SANTAS, G. The form of the good in Plato’s Republic. In: ANTON, J. P.; PREUSS, A. (Org.). Essays in ancient Greek philosophy. Albany: State University of New York Press, 1983. v.1, p. 232-263.

SHIELDS, C. Unified Agency and Akrasia in Plato’s Republic. In BOBONICH, C.; DESTRÉE, P. (Org.). Akrasia in Greek Philosophy. Leiden: Brill, 2007.p. 61-86.

SLINGS, S. R. Platonis Rempublicam. Oxford: Oxford University Press, 2003.

WIELAND, W. Platon und die Formen des Wissens. Berlin: Vanderhoeck & Ruprecht, 1982.

WHITE, N. P. Plato on Knowledge and reality. Indianapolis: Hackett, 1976.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v31i1.716

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Carolina Araújo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional