A aemulatio senequiana: o caso da tragédia Agamêmnon

Marco Aurélio Rodrigues

Resumo


Apresentado em 458 a.C, o drama esquiliano Agamêmnon faz parte da trilogia Oresteia, obra aclamada em toda a Antiguidade e que serviu de parâmetro para muitos autores posteriores. Já a tragédia homônima de Sêneca foi escrita entre os anos de 40 e 65 d.C., e chegou até a modernidade com intrigantes questões de composição. O presente artigo dedica-se a analisar algumas passagens que correspondem a um diálogo direto entre a tradição grega e a romana a partir do conceito de emulação (aemulatio). Para os críticos antigos, não bastava que o autor realizasse a imitação (imitatio) de uma obra. O literato deveria tentar se igualar a seu predecessor. Dessa forma, embora muitos estudiosos questionem as fontes de inspiração do autor romano e outros refutem ter Sêneca emulado a tragédia de Ésquilo, pretende-se mostrar que há inúmeros elementos que merecem atenção e que aproximam os dois dramas.

Palavras-chave


Agamêmnon; tragédia; Ésquilo; Sêneca; aemulatio.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHCAR, F. Lírica e lugar-comum: alguns temas de Horácio e sua presença em português. São Paulo: USP, 1994.

AÉLION, R. Euripide, héritier d’Eschyle. Paris: Les Belles Lettres, 1983. t. 1-2.

AESCHYLI Septem quae supersunt tragoedias. Edidit Denys Page. New York: Oxford University Press, 1972.

ARISTÓTELES. Poética. Prefácio de Maria Helena da Rocha Pereira. Tradução e notas de Ana Maria Valente. 4 ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2011.

ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. Introd. Roberto de Oliveira Brandão. Trad. grego e latim Jaime Bruna. 12 ed. São Paulo: Cultrix, 2005.

ARISTOTELIS De Arte Poetica Liber. Edidit R. Kassel. England: Oxford, 1968.

BARRET, J. Staged narrative: poetics and the messenger in Greek tragedy. Berkeley: University of California Press, 2002.

BEARE, W. The Roman Stage. 3rd ed. London: Methuen, 1968.

BRANDÃO, J. de S. Mitologia Grega. 22 ed. Petrópolis: Vozes, 2010. v. 1.

BURKERT, W. Antigos cultos de mistério. Tradução de D. Bottman. São Paulo: EDUSP, 1991.

CARDOSO, Z. de A. Estudos sobre as tragédias de Sêneca. São Paulo: Alameda, 2005.

CICERO. M. Tullius Cicero: Tusculanae Disputationes. Edited by M. Pohlenz. Leipzig: Teubner, 1918.

CHANTRAINE, P. Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Histoire des mots. Paris: Klincksieck, 2009.

COMPAGNON, A. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão e Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

CONACHER, D. J. Euripidean drama: myth, theme and structure. Toronto: University of Toronto Press, 1967.

DOWDEN, K. Os usos da mitologia grega. Tradução de Cid Knipel Moreira. Campinas: Papirus, 1994.

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ERASMO, M. Roman tragedy: theatre and theatricality. Austin: University of Texas Press, 2004.

ERNOUT, A; MEILLET, A. Dictionnaire étymologique de la langue latine. Paris: Klincksieck, 2001.

ÉSQUILO. Agamêmnon. Introdução, tradução e notas de Trajano Vieira. São Paulo: Perspectiva, 2007.

ÉSQUILO. Agamêmnon. Trad. de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2004.

EURIPIDIS Fabulae. Edidit J. Diggle. New York: Oxford University Press, 1994. t. 3.

FURLAN, M. Brevíssima história da teoria da tradução no Ocidente. I – Os romanos. Cadernos de Tradução, v. 2, n. 8, p. 11-28, 2001.

GLARE, P. G. W. Oxford Dictionary of Latin. New York: Oxford at the Clarendon Press, 1986.

HERMANN, L. Le théâtre de Sénèque. Paris: Les Belles Lettres, 1924.

HESIOD. Theogony, Works and Days, Shield. 2nd ed. Translation, introduction and notes by Apostolos N. Athanassakis. Baltimore: The John Hopkins University Press, 2004.

HESÍODO. Teogonia. A origem dos deuses. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1991.

LIDDELL, H. G; SCOTT, R. A Greek-English Lexicon. Oxford: Clarendon Press, 1996.

LLOYD-JONES, H. The justice of Zeus. 2nd ed. California: University of California Press, 1983.

LONGINUS. Longinus, On the Sublime. Edited by William Rhys Roberts. Cambridge: Cambridge University Press, 1907.

MARTINS, P. Literatura latina. Curitiba: Iesde Brasil, 2009.

MOREAU, A. Eschyle: la violence et le chaos. Paris: Les Belles Lettres, 1985.

QUINTILIAN. The Instituto Oratoria of Quintilian. With an English translation. Edited by Harold Edgeworth Butler. Cambridge: Harvard University Press; London: William Heinemann, 1922.

RODON, E. Parole d’ira e parole d’amore nei personaggi femminili delle tragedie di Seneca. Dioniso, v. 52, p. 47-54, 1981.

SENECA. Agamemnon. Cambridge Classical texts and commentaries by R. J. Tarrant. Cambdridge: Cambridge University Press, 1976.

SÊNECA. Agamêmnon. Introdução, tradução e notas de José Eduardo dos Santos Lohner. São Paulo: Globo, 2009.

SENECA. L. Annaei Senecae tragoediae. Recognouit Otto Zwierlein. New York: Oxford University Press, 1999.

SERRANO, D. de P. Caracterización de Clitemnestra y Agamenón de Esquilo a Séneca. Myrtia, v. 18, 2003, p. 105-27.

STAR, C. Euripides and Senecan drama. In: MCCLURE, L. K. (ed.). A companion to Euripides. London: Wiley-Blackwell, 2017.

VEYNE, P. Seneca: the life of a stoic. Translated by David Sullivan. New York: Routledge, 2003.

VICKERS, B. Towards Greek tragedy. Drama, myth, society. New York: Longman, 1973.

VIEIRA, B. G. Agamêmnon. Introdução, tradução e notas de José Eduardo dos Santos Lohner. São Paulo: Globo, 2009.

VIEIRA, B. G. Cícero e seu projeto tradutório. Calíope: Presença Clássica, v. 15, p. 23-35, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v33i1.699

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Marco Aurélio Rodrigues

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional