Ájax, Atena e os (des)caminhos da métis

Autores

  • Francisco Murari Pires Departamento de História Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.672

Palavras-chave:

Ájax, Atena, Odisseu, Sófocles, métis, tragédia.

Resumo

No Ájax de Sófocles, deve-se entender a intervenção de Atena, em que a deusa mobiliza a exposição do herói ensandecido diante de Odisseu, como uma representação, no âmbito de realização divina, do código heróico arcaico que preceitua vilipendiar o inimigo vencido como ato final de triunfo regozijante? A partir da crítica da fundamentação exegética desse entendimento, propõe-se uma interpretação que busca apreciar a trama trágica sofocliana relevando antes a obra do poder divino de Atena, cujo favor novamente direciona os feitos heróicos de Odisseu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

KAMERBEEK, J. C. The Plays of Sophocles. Part I, tradução inglesa de H. Schreuder. Leiden, E.J. Brill, 1963.

KNOX, B. Word and Action. Baltimore; Londres: John Hopkins, 1979.

MÉAUTIS, G. Sophocle. Paris: Albin Michel, 1957.

MEIER, Christian. De Ia Tragédie Grecque comme Art Politique. Tradução francesa de M. Carlier. Paris: Les Belles Lettres, 1991.

OLIVEIRA, Flávio R. de. Aias de Sófocles: tradução e estudo. São Paulo: USP, 1994.

SEGAL, Charles. Tragedy and Civilization. Cambridge: Harvard University Press, 1981.

Downloads

Publicado

1995-12-05

Como Citar

Pires, F. M. (1995). Ájax, Atena e os (des)caminhos da métis. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 7, 195–209. https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.672

Edição

Seção

Outros temas sobre a Antiguidade Clássica