Ájax, Atena e os (des)caminhos da métis

Francisco Murari Pires

Resumo


No Ájax de Sófocles, deve-se entender a intervenção de Atena, em que a deusa mobiliza a exposição do herói ensandecido diante de Odisseu, como uma representação, no âmbito de realização divina, do código heróico arcaico que preceitua vilipendiar o inimigo vencido como ato final de triunfo regozijante? A partir da crítica da fundamentação exegética desse entendimento, propõe-se uma interpretação que busca apreciar a trama trágica sofocliana relevando antes a obra do poder divino de Atena, cujo favor novamente direciona os feitos heróicos de Odisseu.


Palavras-chave


Ájax; Atena; Odisseu; Sófocles; métis, tragédia.

Texto completo:

PDF

Referências


KAMERBEEK, J. C. The Plays of Sophocles. Part I, tradução inglesa de H. Schreuder. Leiden, E.J. Brill, 1963.

KNOX, B. Word and Action. Baltimore; Londres: John Hopkins, 1979.

MÉAUTIS, G. Sophocle. Paris: Albin Michel, 1957.

MEIER, Christian. De Ia Tragédie Grecque comme Art Politique. Tradução francesa de M. Carlier. Paris: Les Belles Lettres, 1991.

OLIVEIRA, Flávio R. de. Aias de Sófocles: tradução e estudo. São Paulo: USP, 1994.

SEGAL, Charles. Tragedy and Civilization. Cambridge: Harvard University Press, 1981.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.672

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Francisco Murari Pires

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional