O mausoleu de Augusto e a Apocolocintose de Sêneca

Ingeborg Braren

Resumo


Augusto construiu para si e seus familiares um mausoléu, a fim de que seus restos mortais recebessem assim as devidas honras fúnebres. Entre as heranças que deixou, estava o modelo político de soberano, que se perpetuou junto com o Império Romano. Sua lembrança perdurou, e seu mausoléu ainda existe. Ao contrário, a morte do imperador Cláudio, como é tratada na Apocolocintose de Sêneca, deixa como exemplo, um "herói", morto, cuja atuação ocorre em uma trajetória pos-mortem, em um percurso exatamente inverso ao da consecratio, honra de divinização atribuída a alguns imperadores e que lhe fora conferida, pois na sátira desce do céu para os Infernos.


Palavras-chave


Apocolocintose; Sêneca; Imperador Cláudio; Consecratio; Augusto.

Texto completo:

PDF

Referências


CORTÉS, Rosario. Teoría de la sátira. Análisis de Apocolocyntosis de Séneca. Cáceres: Universidad de Extremadura, 1986.

FRYE, Northrop. Anatomia de crítica. Trad. P. E. da Silva Ramos. São Paulo: Cultrix, 1957.

GRIFFIN, Miriam. T. Seneca, aphilosopher inpolitics. Oxford: At the Clarendon Press, 1976.

GRIMAL, Pierre. La civilisation romaine. Paris: Flammarion, 1981.

GRIMAL, Pierre. Sénèque, ou la consciende de l'Empire. 2. ed. Paris: Les Belles Lettres, 1976.

KEILLI, H. Grammatici Latini. Diomedes, v.1. Lipsiae: In aedibus B.G. Teubneri, 1857.

PRIEUR, Jean. La mort dans l’antiquité romaine. Paris: Ouest France, 1986.

TAYLOR, Lily Ross. The divinity of the Roman Emperor. New York: Amo Press, 1975.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.669

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Ingeborg Braren

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional