O eufemismo da morte no Antigo Egito

Autores

  • Antonio Brancaglion Jr. Doutorando do Depto. de Antropologia Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.657

Palavras-chave:

Egito, mitologia funerária, religião funerária.

Resumo

Os egípcios não estavam interessados na morte propriamente dita mas no pós-vida. Eles supriam tanto a câmara funerária quanto a capela da tumba com a dádiva deste mundo, o foco óbvio e imediato da atenção viva. A morte não era um inimigo ou um obstáculo mas uma porta a outra existência. O objetivo dos egípcios não era como o nosso néscio objetivo de não morrer mas o mais pungente desejo de não repetir a morte, de encontrar além da morte a vida que pudessem gozar tão completamente deste lado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARGUET, P. Le livre des Morts des Anciens Egyptiens. Paris: Éditions Du Cerf, 1967.

BARGUET, P. Les Textes des Sarcophages Égyptiens du Moyen Empire. Paris: Éditions Du Cerf, 1986.

BUDGE, E. A. W. The Book of The Dead. New York: Dover, 1985.

BUDGE, E. A. W. The Gods of The Egyptians. New York: Dover, 1969. 2 v.

FAULKNER, R. O. The Ancient Egyptian Pyramid Texts. Oxford: Clarendon Press, 1969.

D'AURIA S. et alii. Mummies & Magic The Funerary Arts of Ancient Egypt. Boston: Museum of Fine Arts, 1988.

QUIRKE, S. Ancient Egyptian Religion. London: British Museum Press, 1992.

Downloads

Publicado

1995-12-05

Como Citar

Brancaglion Jr., A. (1995). O eufemismo da morte no Antigo Egito. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 7, 25–32. https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.657

Edição

Seção

A Morte, os Mortos no Mundo Antigo