Relações nem sempre amistosas: os egípcios e os seus mortos

Margareth Marchiori Bakos

Resumo


Como o egípcio considerava a morte uma extensão da vida, era fato comum que os antigos egípcios buscassem comunicar-se com seus parentes mortos. O propósito deste trabalho é mostrar que, em muitas cartas, o medo de alguma coisa foi uma das mais importantes razões para este tipo de comunicação.

Palavras-chave


Egito; cartas; mortos; medo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, H. Entre opassado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1968.

BUNSON, M. Ancient Egypt. New York: Facts on File, 1991.

BRESCIANI, E. Letteratura e Poesia dell'Antico Egitto. Torino: Einaudi, 1990.

CERTEAU, M. de. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense, l982.

LURKER, M. The Gods and symbols of the Ancient Egypt. London: Thames & Hudson, 1974.

MANNICHE, L. Sexual life in Ancient Egypt. London: Routledge & Kegan Paul, 1987.

POSENER, G. Dictionnaire de la civilisation egyptienne. Paris: Fernand Hazan, 1988.

SPENCER, A. J. Death in Ancient Egypt. London: Penguin Books, 1982.

WENTE, E. Letters from Ancient Egypt. Atlanta: Scholars Press, 1990.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v7i0.656

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Margareth Marchiori Bakos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional