Ética da argumentação: retórica antiga / retórica moderna

João Pedro Mendes

Resumo


A arte da controvérsia – dialética – lida com o verdadeiro e seu discernimento do falso; a arte da argumentação – retórica – opera no terreno do plausível, do verossímil, para mover opções e influenciar preferências. A natureza humana e plasmada do afetivo e do racional, cabendo a filosofia/dialética a esfera do segundo, e à retórica a do primeiro. Enquanto a dialética age sobre a mente do interlocutor, a retórica age sobre a vontade, as emoções e as paixões, para captar sua adesão. Na medida em que a vivencia prática nem sempre se coaduna com as luzes da razão, ao gerar-se a persuasão e inexistindo uma lógica dos juízos de valor, a conduta do homem cai sob o domínio da ética, suscitando um mundo de questões, da manipulação a sedução, do capricho a influência da passionalidade, da cegueira e auto-ilusão a usurpação da liberdade individual. Por outras palavras, a filosofia busca verdades impessoais; a retórica procura fazer prevalecer uma opinião sobre outra, de pessoa a pessoa. E daqui que se levantam as questões éticas.


Palavras-chave


ética; retórica; teoria da argumentação; filosofia.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Ópera. Berlim: Academia Borussica, 1961. 5 v.

BARILLI, Renato. Retórica. Lisboa: Editorial Presença, 1985.

ECO, Umberto. Viagem na irrealidade cotidiana. 8 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit. Tübingen: M. Niemeyer, 1972.

HERRA, Rafael Angel. Kritik der Globalphilosophie. In: WIMMER, Franz. Her Fragen zur Philosophie in Afrika. Asien und Lateinamerika. Viena: Passagen-Verlag, 1988.

MAC INTYRE, Alasdair. A short history of Ethics. Nova York: MacMillan Publishing Company; Collier Books, 1966.

NIETZSCHE, F. W. L’origine de la tragédie ou Hellénisme et pessimisme. 6. ed. Paris: Mercure de France, 1911.

NIETZSCHE, F. W. La naissance de la Philosophie a l’époque de la tragédie grecque. 6. ed. Paris: Gallimard, 1938.

PANOFSKY, Erwin. Gothic Architeciure and Scholasticism. Princeton, 1951.

PASCAL. De l’art de persuader. In: ______. Opuscules. Section II. Oeuvres Complètes. Paris: Pléiade, 1964.

PEREIRA, Miguel Baptista. Introdução à trad. port. de F. E. PETERS. Termos Filosóficos Gregos. Lisboa: Gulbenkian, 1976.

PLATÃO. Opera. Oxonii: e Typographeo Clarendoniano, ts. 1-v, 1973-5.

QUINTILIANO. De Institutione Oratoria. Paris: Panckoucke, 1829.

SCHOPENHAUER, Arthur. Die Welt als Wille und Vorstellung. 2. ed. Atlas Verlag Koln, 1844.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v5i1.554

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 João Pedro Mendes

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional