O dono da voz: a comédia do auto-elogio e da censura

Adriane da Silva Duarte

Resumo


A parábase, enquanto herdeira da lírica, apresenta o poeta como sábio, uma voz autorizada a aconselhar a comunidade. Consistirá simultaneamente em peça de propaganda e fórum de debates, sistematizando para os espectadores os temas desenvolvidos no decorrer da peça. Ao longo da carreira de Aristófanes, o poeta é substituído pela personagem do coro como sujeito da parábase. Essa mudança, aparentemente pequena, refletiria a crise do saber tradicional em Atenas no final do séc. V a.C., posto em xeque pela multiplicação das vozes que se habilitam a falar a cidade, bem como pelo desprestígio do teatro enquanto local privilegiado de discussão da esfera pública.

Palavras-chave


Aristófanes; Comédia antiga; Parábase; Literatura grega; Grécia.

Texto completo:

PDF

Referências


ADRADOS, F. R. Orígenes de la Lírica Griega. Madrid: Biblioteca de la Revista de Ocidente 17, 1976, p. 132-141.

DETIENNE, M. Os Mestres da Verdade na Grécia Arcaica. Tradução de Andrea Daher. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, [s./d.].

GENTILI, B. Poety and its Public in Ancient Greece. Tradução de A. Thomas Cole. Baltimore: The Johns Hopkins, 1990. p. 156-161.

GOLDHILL, S. The Great Dionisia and civic ideology. Journal of Hellenic Studies, v. 107, p. 58-76, 1987.

HAVELOCK, E. A revolução da escrita na Grécia e suas consequências culturais. Tradução de Ordep Serra. São Paulo: Edunesp/Paz e Terra, 1996.

HUBBARD, T. The Mask of Comedy: Aristophanes and the intertextual parabasis. Ithaca: Cornell University Press, 1991.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v9i9/10.514

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Adriane da Silva Duarte

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional