Competições e festivais na Grécia Pré-Helênica: as evidências minóico-micênicas

Ana Claudia Torralvo

Resumo


O que conhecemos das competições desportivas e dos festivais durante a Idade do Bronze na Grécia e no Egeu chegou até nós através das imagens representadas sobre os mais diversos suportes, como os afrescos, os relevos, a glíptica e outras manifestações da arte desse período. Neles percebemos algumas atividades físicas que podem caracterizar práticas desportivas: a luta corporal, praticada com luvas de couro, e a corrida, ambas comuns ao universo minóico-micênico. Já a tauromaquia ou salto do touro e característica da Creta minóica e só aparece no continente grego como cópia do repertório iconográfico. Muitas vezes os afrescos, principalmente aqueles em contexto minóico, são relacionados à religião e locais de culto, o que levou a associação de representações de eventos públicos com festivais religiosos. Mas a evidência negativa não é conclusiva e, portanto, não podemos afirmar que os jogos, competições e festivais fossem apenas eventos públicos de caráter religioso. A iconografia ultrapassou o limite arquitetônico dos afrescos e relevos para ser aplicada a objetos móveis, corno vasos em pedra e cerâmicos; anéis e engastes em marfim atestam a existência de sacrifícios animais, libações, jogos como lutas e tauromaquias, e procissões com música e danças, possivelmente rituais. Dos espetáculos registrados na imagética minóica, o mais popular era a tauromaquia ou salto do touro. As lutas de boxe parecem ter tido uma origem continental. Os lutadores geralmente são representados aos pares e usam luvas de couro. As corridas também foram muito apreciadas entre os micênios.


Palavras-chave


Idade do Bronze; Grécia; Creta; tauromaquia; boxe; corrida; esquema iconográfico; evento público.

Texto completo:

PDF

Referências


GILLIS, C. Minoan everyday objects as sources of historical information. In: FRENCH, F. B.; WARDLE, K. A. (Ed.). Problems in Greek Prehistory. Bristol: 1988. p. 417-420.

GRAHAM, J. W. The palaces of Crete. Princeton: Princeton University Press, 1962.

HUTCHINSON, R. W. Prehistoric Crete. Middlessex: Penguin Books, 1968.

KARAGEORGHIS, V. Deux peintres de vases mycéniens. Syria, v. 34, p. 81-92, 1957.

KARAGEORIGHIS, V.; BUCHHOLZ, H.-G. An archaeological handbook with over 2000 illustrations. Londres: Phaidon, 1973.

PELON, O. Reflexions sur ia fonction politique dans un palais cretois. In: KRZYSZKOWSRA, O.; NIXON, L. (Ed.). Minoan Society. Bristol: Bristol Classical Press, 1983. p. 253-257.

RYSTEDT, E. Mycenaeans runners-induding apobatai. In: FRENCH, F. B.; WARDLE, K. A. (Ed.). Problems in Greek Prehistory. Bristol: 1988. p. 437-442.

TORRALVO, A. C. A iconografia das estelas funerarias dos Circulos 'hmulares A e B de Micenas. Classica, v. 7/9, p. 33-48, 19941995.

TREUIL, R. et alli. Les civilisations égéennes du néolithique et de I'Âge du Bronze. (Paris: PUF, 1989. Nouvelle Clio 1 ter).




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v9i9/10.510

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Ana Claudia Torralvo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional