Os estudos latinos no Brasil

Eduardo Tuffani

Resumo


Trata-se da importância do ensino do Latim no periodo colonial, enfatizando o papel da Companhia de Jesus. É discutido o longo processo da reorganização do ensino secundário e da implantação dos estudos superiores. Apresenta-se a época que vai do fim do secundário de tradição literária à fundação dos primeiros cursos de Letras e Filosofia. Faz-se um balanco dos estudos latinos de 1940 a 1970, período de sua maior vitalidade no Brasil, tratando da Lei Capanema de 1942 e da antiga Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. É fechado o panorama com o relato das atividades ate 1996, considerando o quadro por ocasião da nova LDB.


Palavras-chave


Latim; Brasil; ensino; História da Educação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANUÁRIO DA FACULDADE DE FILOSOFIA, CIêNCIAS E LETRAS. São Paulo: Revista dos Tribunaes, Universidade de São Paulo, 1934/1935-1951.

AZEVEDO, Femando de. A cultura brasileira. 5. ed. rev. ampl. São Paulo: Melhoramentos, Universidade de São Paulo, 1971.

COSTA, Aida. Língua e literatura latina e pós-graduação. Alfa, Marilia: FFCL de Marília, v. 18119, p. 451-460, 1972/1973.

ESTATUTOS da Academia de Altos Estudos. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917.

ESTATUTOS da Faculdade Livre de Philosophia e Lettras de S. Paulo. Annuario da Faculdade Livre de Philosophia e Lettras de S. Paulo, São Paulo, v. 2, p. 19 23, 1909.

EXTRACTO dos estatutos da Faculdade Livre de Philosophia e Lettras de S. Paulo. Annuario da Faculdade Livre de Philosophia e Lettras de S. Paulo, São Paulo, v. 3, p. 11-15, 1911.

FARIA, Ernesto. Introdução à didática do latim. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1959.

FREITAS, Horácio Rolim de. Um mestre ainda desconhecido: Alfredo Marques de Oliveira Filho. In: ESTUDOS universitários de lingüística, filologia e literatura: homenagem da Academia Brasileira de Filologia e do Círculo Linguistica do Rio de Janeiro ao Prof. Dr. Silvio Elia. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Língua e Literatura, 1990. p. 101-108.

LACOMBE, Américo Jacobina. Introdução ao estudo da história do Brasil. São Paulo: Nacional, Universidade de São Paulo, 1974.

MORALES DE LOS RIOS FILHO, Adolfo. Teoria efilosofia da arquitetura. Rio de Janeiro: Borsoi, 1960. t. 2.

NÓBREGA, Vandick L. da. A cultura clássica no Brasil. Romanitas: Revista de Cultura Romana (Língua, Instituições e Direito), Rio de Janeiro, v. 5, p. 457-465, 1962.

PASSOS, Astrolabio. Relatório geral da Universidade de Manáos apresentado à Congregação da mesma Universidade. Archivos da Universidade de Manáos, Manaos, v. 4, n. 3, p. 71, jul./dez. 1914.

O RECONHECIMENTO dos cursos de filosofia, ciências sociais, letras clássicas e pedagogia. Revista da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento, São Paulo, v. 1, p. V-VI, nov. 1940.

REGULAMENTO da Faculdade de Philosophia e Letras (Antiga Academia de Altos Estudos). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1919.

REGULAMENTO interno da Faculdade de Filosofia e Letras de Sao Bento. Revista da

Faculdade de Filosofia e Letras de São Bento, S. Paulo, v. 4, p. 99- 102, mar. 1931.

RELATÓRIO sobre o movimento da Faculdade de Philosophia e Letras, durante o anno lectivo de 1925. Annuario Faculdade de Philosophia e Letras de São Paulo, São Paulo, v. 12, p. 17-20, 1925.

RIBEIRO, Julio. Nova granzmatica da lingua latina. São Paulo: King, 1895.

SILVA, Lauro Monteiro de Carvalho e & SILVA, Maximiano de Carvalho e (Org.). Monsenhor Marimiano da Silva Leite: 1902 - 28 de outubro - 1952: poliantéia comemorativa do 50 aniversário de sua ordenação sacerdotal. Mogi-Mirim: Cardona, 1952.

SOUZA, Vicente de. Restituição da pronúncia latina: conforme os trabalhos de G. Edon, Fr. Bücheler; C. Juret, C. Freund, Fr. Bopp, Encyclopedie Moderne, etc. Rio de Janeiro: Laemmert, 1902.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v13i13/14.500

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Eduardo Tuffani

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional