La temporalité dans l'image: le cas de la métamorphose

Autores

  • Françoise Frontisi-Ducroux Collège de France

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v13i13/14.487

Palavras-chave:

Duração, híbrido, imagem, metamorfose, movimento, tempo.

Resumo

Estudando-se os procedimentos utilizados pelos pintores de vasos gregos para representar a metamorfose, verifica-se que os artistas optaram, frequentemente, por recorrer a figuras híbridas, que se pode interpretar seja como em início de transformação, seja como um alusão metonímica à metamorfose completada. Ao fazer-se um confronto com as narrativas correspondentes, percebe-se que os textos gregos também não descrevem o curso da metamorfose; contentam-se em mencioná-la rapidamente, sugerindo-lhe o carater imperceptível. O problema não é, portanto, unicamente figurativo: trata-se de uma impossibilidade mental e linguística de pensar a duração e o movimento. As descrições minuciosas de Ovídio, que captam a transformação, alongando a duração, constituem, pois, uma notável inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GALINSKY, G. K. Ovid's Metamorphoses. Oxford: 1975.

GENETTE, G. Figures III. Paris: 1972.

SHARROCK, A. "Representing metarnorphosis". In: ELSNER (ed). Art and text in Roman Culture. Cambridge: 1996, 103-130.

SNODGRASS, A. Homer and the artists. Cambridge: 1999.

Publicado

2001-12-01

Como Citar

Frontisi-Ducroux, F. (2001). La temporalité dans l’image: le cas de la métamorphose. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 13(13/14), 241–249. https://doi.org/10.24277/classica.v13i13/14.487

Edição

Seção

Artigos