As romanas e o poder nos Anais de Tácito

Autores

  • Taís Pagoto Bélo Doutora em História pela Unicamp, Pós-doutoranda da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), bolsista CNPq.
  • Pedro Paulo Abreu Funari Professor Titular do Departamento de História, Unicamp, bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq.

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v30i2.445

Palavras-chave:

Romanas, poder, mulheres.

Resumo

Este artigo tem como objetivo o estudo de como a mulher da elite romana aparece na literatura latina. Tácito, em Anais, descreve, uma vez e outra, mulheres romanas associadas ao poder imperial central de forma pejorativa, como usurpadoras, quando associadas a questão do poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taís Pagoto Bélo, Doutora em História pela Unicamp, Pós-doutoranda da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), bolsista CNPq.

Possui graduação em História (2002), pela Universidade Estadual Paulista, Júlio de Mesquita Filho (Unesp). É Mestre em Arqueologia (2007) pelo programa de pós-graduação do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo (USP). É Doutora pelo programa de pós-graduação do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Sua iniciação científica teve como tema a cerâmica de bucchero Etrusca, sob a orientação da Profa. Maria Celeste Fachin; no mestrado, sob a orientação da Profa. Dra. Márcia Angelina Alves, trabalhou com Arqueologia Brasileira, estudando os artefatos líticos e cerâmicos do sítio Água Limpa, município de Monte Alto, SP; e no doutorado, sob a orientação do Prof. Pedro Paulo A. Funari, com estágio na Universidade de St. Andrews (Escócia), sob a coorientação do Prof. Greg Woolf, estudou a figura feminina de Boudica, rainha e guerreira bretã, envolvendo o estudo de teoria de gênero, literatura, usos do passado, história e arqueologia. É associada e pesquisadora cooperadora do LAP, Laboratório de Arqueologia Pública Paulo Duarte da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), participando também como pesquisadora dos grupos de estudo de Arqueologia Histórica (Unicamp); Antiguidade e Modernidade: História Antiga e usos do passado (Unifesp); Núcleo de estudos das Ilhas Britânicas: Antiguidade & Medievo (Unifap); e do grupo Archaeology and Empire Research Network, coordenado pelo Prof. Andrew Gardner (UCL). Encontra com seu pós-doutoramento concluído pelo Institute of Archaeology, da University College London (UCL), na área de Arqueologia Pública, sob a orientação do Prof. Tim Schadla-Hall e coorientação do Prof. Pedro Paulo A. Funari, com o estudo da memória coletiva britânica diante da figura de Boudica. Atualmente se encontra em seu segundo pós-doutoramento, junto ao departamento de História da Unicamp e orientação do Prof. Pedro Paulo A. Funari, com a proposta de estudo sobre as mulheres na Britannia, romanas e bretã, e suas fontes escritas e materiais (inscrições).

Pedro Paulo Abreu Funari, Professor Titular do Departamento de História, Unicamp, bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq.

Bacharel em História (1981), mestre em Antropologia Social (1986), doutor em Arqueologia (1990), pela USP, livre-docente em História (1996) e Professor Titular (2004) da Unicamp. Professor de programas de pós da UNICAMP e USP, Distinguished Lecturer University of Stanford, Research Associate - Illinois State University, Universidad de Barcelona, Université Laval (Canadá), líder de grupo de pesquisa do CNPq, assessor científico da FAPESP, orientador em Stanford e Binghamton, colaborador da UFPR, UFPel, docente da UNESP (1986-1992) e professor de pós das Universidades do Algarve (Portugal), Nacional de Catamarca, del Centro de la Provincia de Buenos Aires, UFRJ, UERJ Supervisionou 17 pós-doutoramentos, 35 doutoramentos, 42 mestrados, hoje destacados pesquisadores e líderes em instituições de prestígio (London School of Economics, Université de Mulhouse, Universidad del Norte (Barranquilla, Colômbia), UNICAMP, USP, UNESP, UFF, UFMG, UFPR, UFRJ, MASJ, UEL, UFPel, UCS, UEMG, UEM, UMESP, Uniplac, PUCPR, FESB, UNIFAP, UFS, UNIP, Unifesp, U. Einstein de Limeira, UFG, UFBA, UNIFAL, UFMA, UFPA, UFOP, Museu Nacional - UFRJ, UEG, UFPE, UFMS, Museu da Bacia do Paraná, UFAL, Unip, F.I. Maria Imaculada, Museo Nacional de Colombia, Universidade da Força Aérea. Na Unicamp, Coordenador do Núcleo de Estudos Estratégicos (2007/09) e do Nepam (2014/16), representante do IFCH na CADI (2005-2009) e dos titulares no DH (2015/6), membro da CAI/Consu (2009), Assessor do Gabinete do Reitor e Coordenador do Centro de Estudos Avançados da Unicamp (2009-2013), apresentador do programa da RTV Unicamp "Diálogo sem fronteira" (2011/6), com mais de 220 entrevistas. Participa do conselho editorial de mais de 50 revistas científicas estrangeiras e brasileiras. Publicou e organizou mais de 400 livros, reedições e capítulos nos Estados Unidos, Inglaterra, Austrália, Áustria, França, Holanda, Itália, Espanha, Argentina, Colômbia, Brasil, entre outros, assim como mais de 620 artigos, resenhas e notas em mais de 130 revistas científicas estrangeiras e brasileiras arbitradas, como Current Anthropology, Antiquity, Revue Archéologique, Journal of Social Archaeology, American Antiquity, American Journal of Archaeology, Dialogues d Histoire Ancienne, Bonner Jahrbücher. Foram publicadas mais de 70 resenhas de seus livros (< 30 delas em revistas estrangeiras). Projetos conjuntos com pesquisadores estrangeiros resultaram na visita de numerosos estudiosos, das principais instituições de pesquisa do mundo (Universidades de Londres, Paris, Saint Andrews, Boston, Southampton, Durham, Illinois, Barcelona, Havana, Buenos Aires, Londres, CNRS). Membro dos conselhos de Encyclopaedia of Historical Archaeology, Oxford Encyclopaedia of Archaeology e Encyclopaedia of Archaeology (Academic Press). Participou de mais de 400 eventos e organizou mais de 115 reuniões científicas. Foi Secretary, World Archaeological Congress (2002-2003), membro permanente do conselho da Union Internationale des Sciences Préhistoriques e Protohistoriques (UISPP) e sócio da ANPUH, ABA, SAB, SBPH, SHA, SAA, WAC, ABIB, AAA, Roman Society, académico estranjero de la Academia de Historia de Cuba desde 2013. Líder de Grupo de Pesquisa do CNPq, sediado na Unicamp e vice-líder de dois outros. Editor de coleção de livros com 33 volumes, com apoio acadêmico da FAPESP, CNPq, CAPES, FAPEMIG e UNICAMP. Co-editor da Coleção Historical Archaeology in South America (University of Alabama Press). Tem experiência na área de História e Arqueologia, com ênfase em História Antiga e Arqueologia Histórica, além de Latim, Grego, Cultura Judaica, Cristianismo, Religiosidades, Ambiente e Sociedade, Estudos Estratégicos, Turismo, Patrimônio, Relações de Gênero, Estudos Avançados. Google Scholar 5.662 citações, índice H = 36 e i10 = 115, total de auxílio e bolsas FAPESP: 114 (60 auxílios e 48 bolsas), academia.edu: > 7.510 seguidores e > 343.100 consultas,author rank 4.9, 1676 public mentions, RG score 24.57, H = 10.

Referências

ALDHOUSE-GREEN, Miranda. Boudica Britannia. London: Pearson Longman, 2006.

ALLASON-JONES, Lindsay. Women in Roman Britain. York: Council for British Archaeology, 2005.

ALDHOUSE-GREEN, Miranda. Women in Roman Britain. In: JAMES, L. S.; DILLON, S. (Ed.). A Companion to Women in the Ancient World. Oxford: Blackwell Publishing, 2012. p. 273-287.

BARRETT, Anthony A. Agrippina: sex, power, and politics in the Early Empire. Yale; London: Yale University Press, New Haven, 1996.

BELO, Tais P. Boudica e as facetas femininas ao longo do tempo: nacionalismo, feminismo, memória e poder. 2014. Tese (Doutorado em História Cultural) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Departamento de História, Campinas, 2014.

CASSIO DIO. Roman History. Tradução de E. Cary. London: W. Heinemann, 1914-1927.

CÍCERO, Marco Túlio. Da Republica. Tradução de Cisneiros. Ed. bilingue: latim-espanhol. São Paulo: Abril, 1973. v. II, 33.

FISCHLER, Susan. Social Stereotypes and Historical Analysis: the case of the imperial women at Rome. In: ARCHER, L.; FISCHLER, S.; WYKE, M. (Ed.). Women in Ancient Societies. New York: Routledge, 1994. p. 115-133.

FOUCAULT, Michel. The history of sexuality. London: Allen Lane, 1979. v. 1.

FUNARI, P. P. A. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 179-200, 1995.

FUNARI, Pedro P. A.; GARRAFFONI, Renata S. Historiografia: Salústio, Tito Lívio e Tácito. Campinas: Editora Unicamp, 2016.

GARDNER, Jane F. Women in Roman law and society. London: Routledge, 1990.

HALLETT, Judith P. Fathers and daughters in Roman society. Princeton, 1984.

HINGLEY, R.; UNWIN, C. Boudica: Iron Age warrior queen. London: Hambledon Continuum, 2005.

JOHNSON, M. Boudicca. London: Bristol Classical Press, 2012.

JUVENAL. Sátiras. Traducción, estudio introductorio y notas de Bartolomé Segura Ramos. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1996. Disponível em: https://docs.google.com/file/d/0B9QFYOHNVhEIbW1zTWR2TVNGNE0/edit. Acesso em: 13 jul. 2017.

MAIA, Ana C. B. Identidade e papéis sexuais: uma discussão sobre gênero na escola. In: MAIA, A. C. B.; MAIA, A. F. (Org.). Sexualidade e Infância. Cadernos Cecemca, n. 1. Bauru: Faculdade de Ciências: Cecemca; Brasília: MEC/SEF, 2005. p. 66-82.

MEAD, Margaret. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva, 1969.

MEYERS, Rachel. Female portraiture and female patronage in the high imperial period. In: JAMES, S. L.; DILLON, S. (Ed.). A Companion to Women in the Ancient World. Malden; Oxford; Chichester: Blackwell Publishing, 2012. p. 453-466.

NOLASCO, Socrates. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

OMENA, Luciane M. Os ofícios: meios de sobrevivência dos setores subalternos da sociedade romana. Fenix: Revista de História e Estudos Culturais, São Paulo, ano IV, v. 4, n. 1, p. 1-13, 2007. ISSN: 1807-6971. Disponível em: http://www.revistafenix.pro.br/PDF10/DOSSIE3.Luciane.Munhoz.de.Omena.pdf. Acesso em: 7 nov. 2015.

PEREIRA, Marcos E. Psicologia social dos estereótipos. São Paulo: EPU, 2002.

PINTO, Renato. Duas rainhas, um príncipe e um eunuco: gênero, sexualidade e as ideologias do masculino e do feminino nos estudos sobre a Bretanha Romana. 2011. Tese (Doutorado em História Cultural) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Departamento de História, Campinas, 2011.

RAWSON, Beryl. Finding roman women. In: ROSENSTEIN, N.; MARX, R. M. (Ed.). A Companion to the Roman Republic. Oxford: Blackwell Publiching, 2006. p. 324-341.

REIS, Kellen C. F.; MAIA, Ana C. B. Estereótipos sexuais e a educação sexista no discurso de mães. In: VALLE, T. G. M. (Org.). Aprendizagem e desenvolvimento humano: avaliações e intervenções [online]. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. p. 137-154. ISBN: 978-85-98605-99-9. Disponível em: SciELO Books http://books.scielo.org.

REVELL, Louise. Ways of being Roman: discourses of identity in the Roman West. Oxford; Philadelphia: Oxbow Books, 2016.

RIESS, Werner. Rari exempli femina: female virtues on Rome. In: JAMES, S. L.; DILLON, S. (Org.). A Companion to Women in the Ancient World. Chichester: Wiley-Blackwell, 2012. p. 491-501.

SAMPAIO, Ângela O.; VENTURINI, Renata L. B. Uma breve reflexão sobre a família na Roma Antiga. VI Jornada de Estudos Antigos e Medievais – Trabalhos Completos, 2009. ISBN: 978-85-99726-09-9. Disponível em: http://www.ppe.uem.br/jeam/anais/2007/trabalhos/030.pdf. Acesso em: 7 nov. 2015.

SOUZA, Fabiana C. Meninos e meninas na escola: um encontro possível? Porto Alegre: Zouk, 2006.

SPENCER-WOOD, Suzanne. Gendering power. In: SWEELY, T. (Ed.). Manifesting power: gender and the interpretation of power in Archaeology. London; New York: Routledge, 1999. p. 175-183.

TACITUS, Publius C. The Annals and The Histories. Tradução de A. J. Church e W. J. Brodribb. Great Britain: Penguin Classics, 1952.

TITO LIVIO. História de Roma: ab urbe condita. Introdução, tradução e notas de Paulo Farmhouse Alberto. Lisboa: Inquérito, 1999.

VARELLA. Flávia. F. A proximidade feminina e a imagem Imperial: Nero, Tácito & os Anais. Revista electronica: Cadernos de História, Ano I, n. 1, p. 1-12, 2006. Disponível em: www.ichs.ufop.br/cadernosdehistoria. ISSN 1980-0339.

WHITAKER, Dulce C. A. Menino – Menina: sexo ou gênero? In: SERBINO, R. V.; GRANDE, M. A. R. L. (Org.). A escola e seus alunos: o problema da diversidade cultural. São Paulo: Unesp, 1995. p. 31-52.

ZENHAS, Armanda. 2007. Estereótipos de gênero. In: Educare.pt, 14/03/2007. Disponível em: https://www.educare.pt/opiniao/artigo/ver/?id=11982&langid=1. Acesso em: 27 abr. 2017.

Downloads

Publicado

31-12-2017

Como Citar

Bélo, T. P., & Funari, P. P. A. (2017). As romanas e o poder nos Anais de Tácito. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 30(2), 75–90. https://doi.org/10.24277/classica.v30i2.445

Edição

Seção

Artigos