Mimese de Conteúdo: iconicidade na poesia latina e sua traduzibilidade

Willamy Fernandes Gonçalves

Resumo


Neste artigo, apresentamos o uso expressivo da mimese de conteúdo em um trecho de Ovídio. Avaliamos diversas traduções poéticas do trecho para a língua portuguesa para verificar se os tradutores cuidaram da reprodução desse aspecto da poética latina, refletimos sobre as dificuldades que a mimese impõe para o tradutor lusófono e, por fim, oferecemos nossa tradução do trecho estudado.


Palavras-chave


Ovídio; mimese de conteúdo; tradução poética; História da tradução.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERTO, Paulo Farmhouse. Introdução. In: OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de Paulo Farmhouse Alberto. Lisboa: Livros Cotovia, 2007, p. 11-32.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. Tradução Susana Kampff Lages. In: HEIDERMANN, Werner (org.). Clássicos da teoria da tradução. 2.ed. Revista e ampliada. Florianópolis: UFSC, 2001, p. 202-229.

BERMAN, Antoine. A tradução e a letra ou O albergue do longínquo. Tradução de Marie-Hélène Catherine Torres, Mauri Furlan e Andreia Guerini. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

BRITTO, Paulo Henriques. Correspondência formal e funcional em tradução poética. In: SOUZA, Marcelo, P.; et alii (org.). Sob o signo de Babel: literatura e poéticas da tradução. Vitória: Flor&Cultura, 2006.

CAMPOS, Haroldo de. Píndaro hoje. In: A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1977, p. 109-119.

CAMPOS, Haroldo de. A morte de Narciso. In: Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 2004, p. 210-213.

CAMPOS, Haroldo de. A ira de Aquiles: Canto I da Ilíada de Homero. São Paulo: Nova Alexandria, 1994.

CAMPOS, Haroldo de. Odorico Mendes: o patriarca da transcriação. In: HOMERO. Odisseia. Edição da tradução de Odorico Mendes preparada por Antônio Medina Rodrigues. São Paulo: Edusp, 1992.

CARVALHO, Raimundo Nonato Barbosa de. Metamorfoses em tradução. São Paulo: USP, 2010.

CASTILHO, António Feliciano de. Theatro de Molière, terceira tentativa - As sabichonas, comédia em 5 atos: versão libérrima. Lisboa: Typographia da Real Academia de Ciências de Lisboa, 1872.

FLORES, G. Gontijo (org. e trad.). Elegias de Sexto Propércio. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2014.

GUERINI, Andreia; COSTA, Walter Carlos. Entrevista com João Angelo Oliva Neto. Cadernos de Tradução, v. 1, n. 25, p. 259-278, 2010.

HATHERLY, Ana. A experiência do prodígio. Bases teóricas e antologia de textos visuais portugueses dos séculos XVII e XVIII. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1983.

HATHERLY, Ana. Visualidade do texto. Uma tendência universalista da poesia portuguesa. Revista Colóquio/Letras, n. 35, p. 5-17, 1977.

HEIDERMANN, Werner (org.). Clássicos da teoria da tradução. 2.ed. Revista e ampliada. Florianópolis: UFSC, 2001.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LUCRÉCIO. Da Natureza das Coisas. Tradução de Luís Manuel Gaspar Cerqueira. Lisboa: Relógio d’água, 2015.

MARTINS, Maria Helena Aguiar. A elocução do amor em Tibulo. Dissertação (Mestrado em Literatura Comparada) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

OVÍDIO. Amores & Arte de Amar. Tradução, introduções e notas de Carlos Ascenso André; Prefácio e apêndices de Peter Green. São Paulo: Penguin-Companhia das Letras, 2011.

OVÍDIO. Os quatro primeiros livros da Metamorphose, de P. Ovidio Nasaõ, poeta romano. Traduzidos em verso solto portuguez por Almeno. Lisboa: Typografia Lacerdina, 1805.

OVÍDIO. As Metamorphóses de Publio Ovidio Nasão. Poema em quinze livros vertido em portuguez por Antonio Feliciano de Castilho. Lisboa: Imprensa Nacional, 1841.

OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de David Gomes Jardim Jr. Rio de Janeiro: Ediouro, 1983.

OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de Paulo Farmhouse Alberto. Lisboa: Livros Cotovia, 2007.

OVÍDIO. Os Fastos. Introdução, tradução e notas de Márcio Meirelles Gouvêa Jr. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

PREDEBON, Aristóteles Angheben. Edição do manuscrito e estudo das Metamorfoses de Ovídio traduzidas por Francisco José Freire. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) - Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

ROSENFELD, Anatole; GUINSBURG, J. Romantismo e Classicismo. In: GUINSBURG, J. (org). O Romantismo. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 1985.

SCHLEIERMACHER, Friedrich. Sobre os diferentes métodos de tradução. Tradução de Celso R. Braida. In: HEIDERMANN, Werner (org.) Clássicos da teoria da tradução. 2. ed. revista e ampliada. Florianópolis: UFSC, 2001, p. 38-101.

THOMAS, Rosalind. Letramento e oralidade na Grécia Antiga. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Odysseus, 2005.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio. A tradução poética e os Estudos Clássicos no Brasil hoje: algumas considerações. Scientia Traductionis, n.10, p.68-79, 2011.

VIRGILE. L’Énéide. Texte établi par Henri Goelzer et traduit par André Bellessort. Paris: Belles Lettres, 1961.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v30i1.421

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Willamy Fernandes Gonçalves

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional