Sócrates e a ironia segundo Vlastos

Autores

  • Admar Costa Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v28i2.374

Palavras-chave:

Vlastos, Sócrates, ironia.

Resumo

Qual o sentido da ironia de Sócrates? Em torno dessa questão central para compreendermos Sócrates – o personagem mais famoso da História da Filosofia – Vlastos empreende um grande esforço para ressignificar positivamente o termo ironia e defender Sócrates das acusações de um Trasímaco ou de um Cálicles. A base da defesa é dizer que Sócrates, mesmo quando se vale de expediente moralmente condenável, o faz em nome de um fim nobre, em vista de descobrir como devemos agir para que tenhamos uma vida boa e justa. Com argumentos fortes e frágeis, Vlastos é responsável por motivar uma série de artigos sobre o tema, o que torna sua tese algo central para os estudiosos de Platão. Com o objetivo de entrar nessa discussão, esse trabalho analisa e confronta o papel da ironia socrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLEN, R. E. The Socratic Paradox. Journal of the History of Ideas, University of Pennsylvania Press, v. 21, n. 2. p. 256-265, 1960.

CICERO. Orator. Translated by G. L. Hendrickson, H. M. Hubbell. Loeb Classical Library, 342. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1939.

COLLI, G. O nascimento da Filosofia. Tradução de Federico Carotti. Campinas: Editora da Unicamp, 1988.

DIXSAUT, Monique. Métamorphoses de la dialectique dans les dialogues de Platon. Paris: Vrin, 2001.

HOMERO. L’Iliade. Texte établi et traduit par Paul Mazon. Paris: Les Belles Lettres, 1943. 3 v.

KAHN, C. Drama and dialectic in Plato’s Gorgias. Oxford Studies in Ancient Philosophy, v. 1, p. 75-121, 1983.

KIERKEGAARD, S. O conceito de ironia. Petrópolis: Editora Vozes. 1991.

LANE, M. The evolution of eirôneia in classical greek texts: why socratic eirôneia is not Socratic irony. Oxford Studies in Ancient Philosophy, v. XXXI, 2006.

PLATÃO. Fedro. Tradução de Maria Isabel Santa Cruz. Buenos Aires: Editorial Losada, 2007.

PLATÃO. República. Tradução de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1993.

PLATO. Symposium. Edited by K. Dover. Cambridge: Cambridge University Press, 1980.

PLATON. Phèdre. Texte établi et traduit par Léon Robin. Paris: Les Belles Lettres, 1954.

QUINTILIAN. The Orator’s Education. Translated by Donald Russell. Loeb Classical Library, 342. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1939.

SCHLEIERMACHER, F. Introdução aos diálogos de Platão. Tradução de Georg Otte. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

STRAUSS, L. Persecution and the Art of Writing. London: University of Chicago Press, 1952.

SZAIF, J. Doxa and Episteme as Modes of Acquaintance in Republic V. Les Etudes Platoniciennes, Paris: Les Belles Lettres, 2007. v. IV, p. 253-272.

THEOPHRASTUS. The Caracters of Theophrastus. A translation, with introduction by Charles E. Bennett and William A. Hammond. New York-London-Bombay: Longmans, Green, and Co., 1902.

VLASTOS, G. Socrates, ironist and moral philosopher. Ithaca/New York: Cornell University Press, 1991. (Col. Cornell Studies in Classical Philosophy, v. 50.)

Downloads

Publicado

11-12-2015

Como Citar

Costa, A. (2015). Sócrates e a ironia segundo Vlastos. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 28(2), 185–196. https://doi.org/10.24277/classica.v28i2.374

Edição

Seção

Dossiê Gregory Vlastos