O sistema alexandrino e o sistema epicurista na filosofia da história do jovem Marx

Júlia Lemos Vieira

Resumo


Nos Cadernos preparatórios de sua Tese de Doutorado intitulada Diferença entre as filosofias de Demócrito e Epicuro, esboçados em 1839, Marx se contrapôs a um conteúdo teológico em Hegel através de uma crítica à tendência tradicional da filosofia em teologizar-se dada numa revisão do ocaso da filosofia grega em dois sistemas opostos. O primeiro teria sido o misticismo da filosofia alexandrina; o segundo, o atomismo epicurista que desenvolveu uma dialética peculiar. Sugerindo uma filosofia da história alternativa à de Hegel, Marx pretendia indicar que a democracia não sofreu ocaso na Grécia por conta do desenvolvimento da razão genuinamente filosófica, e sim por conta da vitória da razão filosófica tergiversada em teologia. Era preciso, neste sentido, resgatar a filosofia do sistema epicurista.


Palavras-chave


Filosofia; democracia; Antiguidade; Marx; Hegel.

Texto completo:

PDF

Referências


DUMÉNIL, Gérard; LÖWY, Michael; RENAULT, Emmanuel. Ler Marx. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Unesp, 2011.

FAUSTO, Ruy. Marx: lógica e política. Investigações para uma reconstituição do sentido da dialética. Tomo I. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FREDERICO, Celso. O jovem Marx (1843-1844): as origens da ontologia do ser social. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Filosofia da história. Trad. Maria Rodrigues e Hans Harden. 2 ed. Brasília: Ed.UnB, 1999.

KORSCH, Karl. Marxismo e filosofia. Rio de Janeiro: Ed.UFRJ, 2008.

LÖWITH, Karl. From Hegel to Nietzsche: the revolution in nineteenth-century thought. Translated from German by David E. Green. New York: Columbia University Press, 1964.

LÖWY, Michael. A teoria da revolução no jovem Marx. Trad. Anderson Gonçalves. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

LUKÁCS, Georg. O jovem Marx e outros escritos de filosofia. Org. e trad. Carlos Nelson Coutinho e José Paulo Netto. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2009.

MARX, Karl. Diferença entre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. Trad. Conceição Jardim e Eduardo Lúcio Nogueira. Lisboa: Presença, 1972.

MARX, Karl. Crítica da filosofia do direito de Hegel. Trad. Conceição Jardim e Eduardo Lúcio Nogueira. Lisboa: Presença, 1983.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Collected Works (MECW). New York: International Publishers, 1975. 50 v. Disponível em: http://www.marxists.org/archive/marx/works/cw/index.htm.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Luta de classes na Alemanha. Apresentação Michael Löwy. Trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2010.

McLELLAN, David. Karl Marx: his life and thought. Norwalk: The Easton Press, 1990.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. Trad. Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2006.

SAMPAIO, Benedicto Arthur; FREDERICO, Celso. Dialética e materialismo: Marx entre Hegel e Feuerbach. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2006.

SILVA, Romero Junior Venâncio. “O Epicuro de Marx: algumas notas”. Prometeus, ano 4, n. 8, julho-dezembro, 2011.

TEXIER, Jacques. Revolução e democracia em Marx e Engels. Trad. Duarte Pacheco Pereira. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2005.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v30i1.359

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Júlia Lemos Vieira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional