A maiêutica socrática com ‘união’ de teorias no Teeteto

Robson Gabioneta

Resumo


A maiêutica socrática normalmente é descrita como a arte de conduzir alguém a produzir o próprio conhecimento por meio de perguntas, sem que Sócrates acrescente nada a este conhecimento. Porém, pensamos que ela é mais complexa que isso. Sócrates, para explicar sua arte a Teeteto, compara-se às parteiras. Elas julgam que sua principal função é unir os casais. Do mesmo modo, pensamos que a principal função de Sócrates é unir diferentes teorias, compondo novos saberes complexos. Assim, tentaremos acompanhar esse procedimento que, no nosso entender, pode ser desmembrado em 6 etapas: 1) sintetiza-se as formulações recebidas, adaptando-as gradativamente; 2) com isso, gera-se pontos de contatos ou elementos em comum; 3) permitindo, assim, uma fusão dessas teorias, cujo resultado é uma teoria mais complexa; 4) investiga-se as novas teorias geradas; 5) que, por sua vez, são unidas às ‘velhas’ teorias; 6) volta-se à etapa 1 para repetir o processo. Assim, é nosso objetivo neste artigo apresentar este aspecto da maiêutica socrática: a geração de teses a partir da articulação ou do ‘casamento’ das teorias de Protágoras, Teeteto e Heráclito.


Palavras-chave


Platão; Teeteto; maiêutica socrática

Texto completo:

PDF

Referências


PLATÃO. Diálogos. Tradução Carlos Alberto Nunes. Belém: Ed. UFPA, 1972.

PLATON. Oeuvres completes. Texto grego e tradução francesa. Paris: Les Belles Lettres, Collection des Universités de France , 1920.

PLATÓN. Diálogos. Madrid: Editorial Gredos, 2008.

PLATÃO. Teeteto. Tradução Nogueira, A. M.; Boeri, M. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

BURNYEAT, Myles. The Theaetetus of Plato. Translation of M. J. Levett. Indianapolis: Hackett, 1990.

CHAPPELL, Timothy. Reading Plato’s Theaetetus. Sankt Augustin: Academia Verlag, 2004.

AZEVEDO, Maria S. Da maiêutica socrática à maiêutica platônica. Humanitas, v. IV, n. 65, p. 265-281, 2003.

BENOIT, Hector. Em busca da odisséia dialógica: a questão metodológica das temporalidade. 2004. Tese (Livre Docência em Filosofia) - Unicamp, Campinas, 2004.

BORGES, Anderson P. Razão e Sensação no Teeteto de Platão. 2009. Tese (Doutorado em Filosofia) – USP, São Paulo, 2009.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina F. F., Paulo Pinheiro. São Paulo: Ed. 34, 2005.

FLAKSMAN, Ana. Aspectos da recepção de Heráclito por Platão. 2009. Tese (Doutorado em Filosofia) PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2009.

GABIONETA, R. Um estudo sobre o sofista Protágoras nos diálogos de Platão. 2013. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Unicamp, Campinas, 2013.

KERFERD, G. B. O movimento sofista. Trad. Margarida Oliva. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

MARQUES, M. P. Os sofistas: o saber em questão. In: FIGUEREIDO, V (Org.). Filósofos na sala de aula. São Paulo: Ed. Berlindis & Vertecchia, 2007. v. 2.

MORILLAS, M. Los dioses del Olimpo. Madrid: Akanza Ed., 1998.

REY PUENTE, Fernando. A kátharsis em Platão e Aristóteles. In: DUARTE, R.; FIGUEIREDO, V.; FREITAS, V.; KANGUSSU, I. (Org.). Kártharsis: reflexões de um conceito estético. Belo Horizonte: C/Arte, 2002. p. 71-79.

SANTOS, J. G. (Org.) Do Saber ao Conhecimento: Estudos sobre o Teeteto. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2005.

TORDESILLAS, Afonso. Platão, Protágoras e o homem-medida. Dissertatio, v. 29, p. 11-42, inverno de 2009.

VAZ PINTO, Maria José. A “medida das coisas” entre o homem e deus – algumas reflexões sobre o frag. 1 de Protágoras. Revista da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, v. 2, n. 8, p. 321-331, 1995.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v28i2.326

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Robson Gabioneta

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional