A mulher na Magna Grécia : um “objeto” de valor

Autores

  • Sandra Ferreira dos Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v29i1.301

Palavras-chave:

casamento, mulheres, Magna Grécia, identidade, legitimação.

Resumo

Uma questão que tem sido motivo de grandes debates no estudo das colônias gregas do sul da Itália, trata da formação dos grupos de imigrantes gregos que se dirigiram para esta região, no movimento que se convencionou chamar de colonização grega. Considerando-se as fontes, parece mais razoável considerar que os homens que para lá se dirigiram, se casassem com mulheres nativas, realizando, assim, alianças com a população local. As alianças matrimoniais, bastante comuns no mundo grego, tornaram-se, na Magna Grécia, uma política de manutenção e consolidação do poder pelos tiranos da região, e como uma forma bastante eficaz de legitimação da permanência e da descendência dos gregos que chegavam. Esta questão é fundamental, na medida em que desejamos pensar sobre a importância das mulheres na formação da identidade do grupo e na legitimação política e social dos gregos que se estabeleceram no sul da Itália.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Arqueologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGArq - Museu Nacional), Mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Historiadora, pesquisadora na área de Grécia Antiga.

Referências

ALVES, J .E. D . A Linguagem e as representações da masculinidade. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas, 2004.

ANTONACCIO, C. M. Ethnicity and Colonization. In: Malkin, I. Ancient Perception of Greek Ethnicity. Center for Hellenic Studies Colloquia 5. Harvard: Harvard University Press, 2001.

ARISTÓTELES. Política. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BEARD, M. Adopting an Approach II. In: RASMUSSEN, T.; SPIVEY, N. (org.). Looking at Greek vases. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. 11 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

Bérard, C. Iconographie-Iconologie-Iconologique. Revue Études de Lettres, n. 4, 1983.

Boardman. J. Los griegos en ultramar: Comercio y expansión colonial antes de la era clasica. Madrid: Alianza Editoral, 1986.

BOARDMAN, J. Athenian red figure vases: the classical period. London: Thames and Hudson, 1995.

BOARDMAN, J.; HAMMOND, N. G. L. The Cambridge Ancient History. The Expansion of the Greek World, Eighth to Sixth Centuries B.C. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. v. III. Parte 3.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

CARRATELLI, G. P. An outline of the political history of the Greeks in the West. In: CARRATELLI, G. P. (ed.) The Greek World – art and civilization in Magna Graecia and Sicily. New York: Rizzoli, 1996.

CERQUEIRA, F. V. Identidade cultural e relações interétnicas Greco-indígenas na Magna Grécia. O sentido da iconografia dos instrumentos musicais na cerâmica ápula (séculos V e IV a.C). In: CAMPOS, A et alii (org.). Territórios, poderes, identidades: a ocupação do espaço entre a política e a cultura. Vitoria: GM Editora, 2012.

D’AGOSTINO, B. The impact of the Greek colonists on the indigenous peoples of Campania. In: CARRATELLI, G. P. (ed.). The Greek World – art and civilization in Magna Graecia and Sicily. New York: Rizzoli, 1996.

DESCOEUDRES, J-P. Greek Colonists and Native Populations: Proceedings of the First Australian Congress of Classical Archaeology held in honour of Emeritus Professor A. D. Trendall. Oxford: Clarendon Press, 1990. Canberra: Humanities Research Centre, 1990.

DIODORUS Siculus. Library of History Vol IV. Loeb Classical Library. With an English translation by C. H. Oldfather. Cambridge MA.: Harvard University Press, 1935

DUNBABIN, T. J. The Western Greeks. Oxford: Clarendon Press, 1948.

FLAX, J. Pós-modernismo e relações de gênero na teoria feminista. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Modernismo e política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

FAURE, P. La vita quotidiana nelle colonie greche. Milano: Rizzoli, 1995.

FUNKE, P. Western Greece (Magna Graecia). In: Kinzl, K. H (ed.). The Blackwell Companion of the Classical Greek World. Malden: Blackwell Publishing, 2006.

Gernet, L. Marriage de tyrans. In: Gernet, L. Antropologie de la Grèce antique. Paris: Maspero, 1980, p. 299-312.

Greco, E. La Magna Grecia della origini: tradizioni di studi e dibattiti in corso. In: CHIESA, G.S. Miti Greci: Archeologia e pittura dalla Magna Grecia al collezionismo. Milano: Electa, 2005.

GUZZO, G. Myths and archaeology in South Italy. In: DESCOEUDRES, J. P. Greek colonists and native population. Oxford: Clarendon Press, 1990.

HALL, J. Hellenicity. Chicago: Chicago University Press, 2002.

HALLETT, J. P. Women’s lives in the ancient Mediterranean. In: KRAEMER, S. R.; D’ANGELO, M. R. Women and Christian origins (ed.). New York: Oxford University Press, 1999.

HIRATA, E. (org.). Siracusa: leituras de uma cidade antiga. São Paulo: MAE, 2009.

HUMPHREYS, S. C. The family, women and death: comparative studies. Michigan: The University of Michigan Press, 1996.

IZZI, F. Viaggio nell’universo femminile della Magna Grecia. Padova: AltroMondo Editore, 2009.

JONES, S. The Archaeology of Ethnicity: Constructing Identities in the Past and Present. London: Routledge, 1997.

KALDELLIS, A. Genesios, On the reigns of the emperors: introduction, translation, and commentary A. Kaldellis. Byzantina Australiensia, 11. Canberra: Australian Association for Byzantine Studies, 1998.

LOMAS, K. Rome and the Western Greeks – 350 BC – AD 200. Conquest and acculturation in southern Italy. London: Routledge, 1993.

MEDINA, M. C. Comentarios críticos a algunas categorías históricas: sexo, género y clase, Anales Nueva Epoca, n. 1, 1998.

MOSCATI, S. Italy before Rome. Milano: Electa, 1987.

OLIVEIRA, A. C. O. Gênero, saúde reprodutiva e trabalho: formas subjetivas de viver e resistir às condições de trabalho. 2001. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2001.

PACCIARELLI, M. Identitá di genere e corredi femminilli nelle grandi necropoli. In: Le ore e I Giorni delle donne. Catalogo della mostra, Museo Civico Archeologico di Verrucchio, 14 Giugno 2007-6 Gennaio 2008, Verrucchio, 2008.

POLYBIUS. The Histories. Trans. Hultsch, Friedrich Otto, Shuckburgh, Evelyn S. London: Macmillan and Co., 1889.

Rocha-Sánchez, T. E; Díaz-Loving, R. Cultura de género: La brecha ideológica entre hombres y mujeres, Anales de Psicología, v. 21, n. 1, 2005.

SILVA, A. C. L. F. Reflexões sobre o paradigma pós-moderno e os estudos históricos de gênero, Brathair, v. 8, n. 2, 2008.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 15, n. 2, jul/dez, p. 5-22, 1990.

SCOTT, J. Prefácio a “Gender and Politics of History”, Cadernos Pagú, n. 3, p. 11-12, 1994.

SOIHET, J. R; PEDRO, M. A emergência da pesquisa da História das mulheres e das relações de gênero, Revista Brasileira de História, v. 27, n. 54, 2007.

SOURVINOU-INWOOD, C. Male and Female, Public and Private, Ancient and Modern. In: REEDER, E. Pandora. Princeton: Princeton University Press, 1995.

Xenofonte. Econômico. Tradução e introdução de Anna Lia Amaral de Almeida Prado. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WOODHEAD, A.G. Os Gregos no Ocidente. Lisboa: Editorial Verbo, 1972.

Downloads

Publicado

15-03-2016

Como Citar

dos Santos, S. F. (2016). A mulher na Magna Grécia : um “objeto” de valor. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 29(1), 29–48. https://doi.org/10.24277/classica.v29i1.301

Edição

Seção

Artigos