A alteridade indígena no poema épico de Anchieta

Autores

  • João Bortolanza

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v15i15/16.284

Resumo

No poema épico De Gestis Mendi de Saa, o Padre José de Anchieta considera os habitantes nativos do Brasil, as Brasilles gentes, como barbara gens, além de superba, crudelis, effrenis, atrox, indómita, dira e inhumana, entre outros muitos qualificativos, como justificativa para a ação catequética dos Jesuítas e para a dominação colonizadora do Governador Geral Mem de Sá. No espírito das Cruzadas, a Contra-Reforma opõe dois campos: de um lado, os católicos e civilizados europeus; de outro, os pagãos e rudes brasilíndios. Já na proposição, o poeta deixa claro seu intento: (Rex Christe), tua maxima facta / aggrediar versu memorare, ingentibus ausis: magna quíbus nuper tua mittere lumina virtus/inter barberiem coepit Brasillibus oris (v. 111-114) Herói divino, Cristo Rei, age através do herói humano - magnanimum heroem Mendum (v. 164) - cujos grandes feitos consistem em eruere e Stygio Brasilles cárcere mentes (v. 177). Os costumes exóticos dos indígenas, suas festas e danças, seus sacerdotes, crenças e ritos, seu modus vivendi, seu próprio habitat passam a formar um cenário, não apenas “bárbaro”, mas “diabólico e infernal”. Será essa demonização do índio e de seus costumes o cenário dessa primeira grande epopéia das Américas (1563), com 3135 versos vazados em Latim Clássico pelo grande Humanista Anchieta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Bortolanza

Universidade Estadual de Londrina

Referências

ANCHIETA, Pe. José de. Cartas: Correspondência ativa e passiva. 2. ed. Pesquisa, introdução e notas do Pe. Hélio A. Viotti. São Paulo: Loyola, 1984.

ANCHIETA, Pe. José de. De Gestis Mendi de Saa. Introdução, versão e notas do Pe. Armando Cardoso. São Paulo: Loyola, 1986.

BORTOLANZA, João. A ideologia da adjetivação indígena em De Gestis Mendi de Saa. In: Atas do Congresso Internacional Anchieta 400 Anos, São Paulo, 1998. p. 39-49.

BORTOLANZA, João. Neologismos De Gestis Mendi de Saa. Clássica, São Paulo, v. 13/14, n.13/14, p. 383-392, 2000/2001.

CUNHA, Manuela Carneiro da; CASTRO, Eduardo Viveiros de. Vingança e Temporalidade: os Tupinambá. In: Anuário Antropológico, 85, Rio de Janeiro, 1985.

MELIÀ, Bartomeu. José de Anchieta etnógrafo de la antropofagia. In: Actas do Congresso Internacional “Anchieta em Coimbra - Colégio das Artes de Coimbra (1548-1998)”. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2000. v. I, p. 201-220.

MINDLIN, Dulce Maria Viana. José de Anchieta: no limiar da santidade. Goiânia: Kelps, 1997.

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. São Paulo: Abril Cultural, 1972. p. 62-65.

SANTOS, César Augusto dos. Anchieta e a Cultura Indígena. In: Actas do Congresso Internacional “Anchieta em Coimbra - Colégio das Artes de Coimbra (1548-1998)”. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2000. v. I, p. 325-39.

SOUSA, Gabriel Soares de. Tratado descritivo do Brasil em 1587. São Paulo: Nacional; Edusp, 1971. cap. V, p. 132.

SUESS, Paulo. José de Anchieta. Enigma e paradigma frente à alteridade Tupinambá. In: Actas do Congresso Internacional “Anchieta em Coimbra - Colégio das Artes de Coimbra (1548-1998)”. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2000. v. III, p. 1119-1132.

SUESS, Paulo. José de Anchieta e a alteridade tupinambá. In: Atas do Congresso Internacional Anchieta 400 Anos. São Paulo, 1998. p. 337-347.

Downloads

Publicado

2003-11-26

Como Citar

Bortolanza, J. (2003). A alteridade indígena no poema épico de Anchieta. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 15(15/16), 249–257. https://doi.org/10.24277/classica.v15i15/16.284

Edição

Seção

Artigos