Considerações acerca da educação através dos provérbios em latim na Baixa Idade Média

Autores

  • Álvaro Alfredo Bragança Jr Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v15i15/16.282

Resumo

A contribuição da Idade Média para a organização do pensamento educacional ocidental pode ser depreendida por várias vertentes, desde os currícula das escolas dos mosteiros e das abadias até o sistema das artes liberales universitárias. Entretanto, uma das formas mais eficazes de se fornecer os rudimentos culturais aos discípulos, especialmente os do baixo medievo, assentava-se na compilação de exercícios escolares, usualmente em forma de dísticos rimados, que continham uma fundamentação eminentemente teológica presa aos preceitos da Igreja. Esses futuros clerici, instruídos por tal modelo propedêutico, transmitiriam no púlpito as lições passadas por seus mestres. Configurava-se assim a proverbialização oral desses textos escritos em uma prática cotidiana, que unia o educare o saber ao poder, formalizando através desse modelo instrucional os ideais da alta cúpula da Igreja.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAGANÇA JÚNIOR, Álvaro Alfredo. A fraseologia medieval latina como reflexo de uma sociedade. 1998. 204 f. Tese (Doutorado em Língua e Literatura Latina) –Faculdade de Letras da UFRJ, Rio de Janeiro, 1998.

COMPANY, Concepción Company (Edit.). Amor y cultura em la Edad Media. México: Universidad Nacional Autónoma de México, Instituto de Investigaciones Filológicas, 1991.

CURTIUS, Ernst Robert. Literatura europeia e idade média latina. Tradução de Teodoro Cabral. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1957.

GRYZBEK, Peter. Sinkendes Kulturgut? Eine empirische Pilotstudie zur Bekanntheit deutscher Sprichwörter. Wirkendes Wort, v. 41, n. 2, p. 239-264, 1991.

GRYZBEK, Peter; CHLOSTA, Christoph. Grundlagen der empirischen Sprichwortforschung. In: MIEDER, Wolfgang (Hrsg.). Proverbium 10. Vermont: The University of Vermont, 1993. p. 89-128.

HÉLIN, Maurice. La litterature latine au Moyen Âge. Paris: PUF, 1972. [Que sais-je?, v. 1043].

HUIZINGA, Johan. O declínio da Idade Média. Tradução de Augusto Abelaira. Lisboa: Ulisséia, [s.d.].

KIDNER, Derek. Provérbios. Introdução e Comentário. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova & Associação Religiosa Mundo Cristão, 1992.

LANGOSCH, Karl. Lateinisches Mittelalter. Einleitung in Sprache und Literatur. Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft, 1988.

MIEDER, Wolfgang (Edit.). Wise words. Essays on the proverb. New York, London: Garland Publishing, 1994.

MONTILLO, Cláudia de Cássia Capello. A voz e os ecos – medievalismo e atualidade n’O livro de Esopo. 1993. 241f. Dissertação (Mestrado em Literatura Portuguesa) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, Rio de Janeiro, 1993.

NOGUEIRA, Carlos Roberto Figueiredo. Bruxaria e história. As práticas mágicas no Ocidente cristão. São Paulo: Ática, 1991.

OBELKEVICH, James. Proverbs and social history. In: Wise words. Essays on the proverb. Edited by Wolfgang Mieder. New York, London: Garland Publishing, 1994. p. 211-252.

OTTO, A. Die Sprichwörter und sprichwörtlichen Redensarten der Römer. 2. Aufl. Hildesheim: Georg Ohlms Verlag, 1971.

RIBEIRO, Daniel Valle. Igreja e estado na Idade Média. Relações de poder. Belo Horizonte: Editora Lê, 1995.

SALISBURY, Joyce. The beast within. Animais in the Middle Ages. New York; London: Routledge, 1994.

WERNER, Jakob. Lateinische Sprichwörter und Sinnsprüche des Mittelalters. Heidelberg: Carl Winter’s Universitätsbuchhandlung, 1912.

Downloads

Publicado

26-11-2003

Como Citar

Bragança Jr, Álvaro A. (2003). Considerações acerca da educação através dos provérbios em latim na Baixa Idade Média. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 15(15/16), 215–230. https://doi.org/10.24277/classica.v15i15/16.282

Edição

Seção

Artigos