Mens manet: identidade e “outridade” nas Metamorfoses de ovídio

Elaine Cristina Prado dos Santos

Resumo


Ovídio declara, nas Metamorfoses, que irá narrar as mudanças das formas, mutatas formas (Met.1.1), o que determinará o surgimento de novos corpos: noua corpora (Met.1.1-2), todavia sua intenção se dirige aos deuses: di ... adspirate meis... (Met.1.2-3). Por meio de uma múltipla conjunção de diversas transformações, o poeta latino desenvolve, na obra, a perpétua combinação do que persiste, mens, e do que perece, corpus, correspondendo, assim, ao enunciado do poema: a identidade de um ser transformado se manifesta em uma “outridade”. Pretende-se apresentar, neste artigo, um conceito de metamorfose com a finalidade de entender a proposta do poeta e demonstrar que há uma estrutura narrativa original nas Metamorfoses. Como conduta para formular uma conceitualização de metamorfose na obra ovidiana, o trabalho terá como alicerce os estudos de Chcheglóv (1979), Galinsky (1975), Marzolla (1979), Calvino (1993), Tronchet2 (1998) e Octavio Paz (1982).

Palavras-chave


Ovídio; Metamorfoses; mutata forma; mens; estrutura narrativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 2. ed. Trad. Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

AHL, F. Metaformations: soundplay and wordplay in Ovid and other classical poets. Ithaca; London: Cornell University Press, 1985.

ALLEN, W. F.; GREENOUGH, J. B. Selections from Ovid-chiefly the Metamorphoses. Boston: Ginn and Company, 1890.

BLOCH, O.; WARTBURG, W. Dictionnaire etymologique de la langue française. Paris: Presses Universitaires de France, 1964.

BRANDÃO, Junito. Dicionário mítico-etimológico. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.

CALVINO, I. Ovídio e a contiguidade universal. 4. ed. Por que ler os clássicos? Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CHCHEGLÓV, I. K. Algumas características da estrutura de As Metamorfoses de Ovídio. In: SCHNAIDERMAN, B. Semiótica russa. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini et alii. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.

CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos. 8. ed. Colaboração de André Barbault et al., coordenação Carlos Sussekind, tradução de Vera da Costa e Silva et alii. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

GALINSKY, G. K. Ovid’s Metamorphoses. An Introduction to the Basic Aspects. Berkeley; Los Angeles: University of California Press, 1975.

HARVEY, P. Dicionário Oxford de literatura clássica grega e latina. Tradução de Mário da Gama Kury. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987.

OTIS, B. Ovid as an epic poet. Cambridge: Cambridge University Press, 1966.

OVIDIO. As Metamorfoses. Trad., notas e comentários de Georges Lafaye. Paris: Société d’Édition Les Belles Lettres, 1994.

OVIDIO. Metamorfosi. A cura di Piero Bernardini Marzolla, con uno scritto di Italo Calvino. Torino: Giulio Einaudi Editores, 1994.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1982.

TOSI, R. Dicionário de sentenças latinas e gregas. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

TRONCHET, G. La Métamorphose à l’oeuvre – recherches sur la poètique d’Ovide dans les Métamorphoses. Paris: Éditions Peeters Louvain, 1998.




DOI: https://doi.org/10.14195/2176-6436_21-1_10

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Elaine Cristina Prado dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional