Ética e estética na música grega: a educação e o ideal da kalo-kagathía

Fábio Vergara Cerqueira

Resumo


Ética e estética são duas dimensões absolutamente imbricadas no pensamento musical grego. Os princípios morais contidos, por exemplo, na teoria do éthos musical norteiam a apreciação das formas musicais, seja no que se refere à escolha dos instrumentos, dos gêneros, ou dos modos musicais (escalas). A importância que os gregos conferiam a esta intersecção entre a estética e a ética na música assumia grande relevância política, como pode ser verificado no destaque dado à educação musical. Ao avaliar a biografia dos principais homens públicos atenienses, recorrendo-se a obras como as Vidas Paralelas de Plutarco, constata-se o quanto se valorizava a influência da formação musical sobre as qualidades políticas e morais de um cidadão. Considerava-se que a música desempenhava importante papel para a constituição da virtude da kalo-kagathía (beleza-bondade), que era considerada o bem maior para um cidadão: o reconhecimento do belo e de escolha do bom, do justo. Vê-se, assim, a existência de uma pedagogia política, calcada nas noções de ética e estética, na qual o ensino musical merecia bastante atenção, como demonstram as recomendações de Platão e Aristóteles.

Palavras-chave


Grécia antiga; música; educação; ética; estética.

Texto completo:

PDF

Referências


AESCHINES. Aeschines. Translation by Charles Darwin Adams. Cambridge, MA: Harvard University Press; London, William Heinemann, 1919.

BÉLIS, A. Les musiciens dans l’Antiquité. Paris: Hachette, 1999.

CERQUEIRA, F. V. Argumentos aristotélicos em favor do ensino musical: Política, VIII, Dissertatio. Revista de Filosofia da UFPEL, Pelotas, v. 3, p. 79-88, 1996.

CERQUEIRA, F. V. Educação, Música e Política na Grécia Antiga. In: OLIVEIRA, T. (Org.). Educação, História e Filosofia no Ocidente: Antiguidade e Medievo. Itajaí: Univali Editora, 2009. p. 69-92,

CORRÊA, P. C. Harmonia. Mito e música na Grécia Antiga. São Paulo: Humanitas; FFLCH/USP, 2003. (Coleção Letras Clássica, p. 79-80).

GOSTOLI, A. Terpandro e la funzione etico-politica della musica nella cultura spartana del VII sec. a.C. in: GENTILI, B.; PRETAGOSTINI, R. La musica in Grecia. Roma-Bari: Laterza, 1988.

MAAS, M.; SNYDER, J. M. Strumenti a corde per dei e mortali. In: RESTANI, D. (Org.). Musica e mito nella Grecia antica. Bolonha: Il Molino, 1995.

MOUTSOPOULOS, E. La musique dans l’oeuvre de Platon. Paris: P.U.F., 1959.

ROESCH, P. Famiglie di auleti in Beozia. In: RESTANI, D. (Org.). Musica e mito nella Grecia antica. Bolonha: Il Molino, 1995.

SACHS, K. La musica en la Antigüedad. Barcelona: Labor, 1934.




DOI: https://doi.org/10.14195/2176-6436_24_5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Fábio Vergara Cerqueira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional