Crocodilites: retrato de um sofisma sem solução

Autores

  • Rui Miguel Duarte Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.14195/2176-6436_23_2

Palavras-chave:

crocodilites, estado de causa, questões mal formadas, nconclusiva, reversível

Resumo

Entre as anedotas e enigmas em circulação na Antiguidade, havia um género que os Estoicos designaram por ?????????????, em virtude de numa das suas variantes o protagonista ser um crocodilo. Característico deles era a impossibilidadede conclusão, de modo que, por onde quer que se procurasse abordá-los, resultavsempre o contrário. Examinar-se-ão as variantes conhecidas destas historietas. Em alguns casos só as personagens mudavam. Porém, embora artificiais, elas não eram meras anedotas. Pelo contrário, faziam, desde os Estoicos até a doutrina das ??????? de Hermógenes de Tarso e seus escoliastas, as delícias de dialécticos e retóricos, como ????? (inconclusivos). E nesses meios foram cultivadas como pretextos paraexercícios de escola. A sua popularidade e tradição são pois por assim dizer uma questão de recepção. Por outro lado, é porque geravam debates que não chegavam a sê-lo que se pode entendê-las como um problema de performance, ou da sua negação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONNER, Stanley F. Roman Declamation in the Late Republic and Early Empire. Liverpool: University of Liverpool Press, 1939.

COLE, Th. Who was Corax. Illinois Classical Studies, v. 16, p. 65-85, 1991.

DUARTE, Rui M. de O. Comentários ao tratado sobre os Estados de causa de Hermógenes de Tarso por autor anónimo. 2006. Tese (Doutorado) - Universidade de Aveiro [Portugal], 2006.

GAGARIN, M. Background and Origins: Oratory and Rhetoric before the Sophists. In: WORTHINGTON, Ian (Ed.). A Companion to Greek Rhetoric. Oxford: Blackwell Publishing, 2007.

GARBELLINI, Izabella Lombardi. Tradução e comentário da Arte Retórica de Consulto Fortunaciano. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

HALM, K. (Ed.). Rhetores Latini minores. Leipzig: Teubner, 1863.

HEATH, M. Metalepsis, paragraphe and the scholia to Hermogenes. Leeds International Classical Studies, v. 2, n. 2, p. 11-28, 2003.

HEATH, M. Porphyry’s rhetoric: texts and translation. Leeds International Classical Studies, v. 1, n. 5, p. 1-38, 2002.

HEATH, M. The Substructure of stasis-theory from Hermagoras to Hermogenes. Classical Quartely, v. 44, p. 114-129, 1994.

INNES, D.; WINTERBOTTOM, M. Sopatros the rhetor. Londres: Institute of Classical Studies, 1988.

JAKOBI, R. (Ed.). Grillius: Commentum in Ciceronis Rhetorica. Leipzig: Teubner-Saur, 2002.

JAKOBI, Rainer. Grillius: Überlieferung und Kommentar. Untersuchungen zur antiken Literatur und Geschichte, Band 77. Berlim; Nova Iorque: Walter de Gruyter, 2005.

KENNEDY, G. A. Greek Rhetoric under christian emperors. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1983.

KENNEDY, George A. Classical Rhetoric and its Christian and Secular Tradition from Ancient to Modern Times. Chapell Hill: University of North Carolina Press, 1980.

MATTHES, D. Hermagoras von Temnos 1904-1955. Lustrum, v. 3, p. 58-214, 1958.

MATTHES, Dieter (Ed.) Hermagorae Temnitae Testimonia et Fragmenta. Leipzig: Teubner, 1962.

MONTEFUSCO, L.C. La dottrina del κρινόμενον. Athenaeum, v. 50, p. 276-293, 1972.

MÜNSCHER, K. s.v. Fortunatianus. RE, v. VII, n. 1, p. 44-45, 1910.

PATILLON, M. (Ed.). Corpus rhetoricum. Anonyme, Prámbule à la rhétorique. Aphthonios, Progymnasmata. Pseudo-Hermogène, Progymnasmata. Paris: Les Belles Lettres, 2008.

PATILLON, M. La théorie du discours chez Hermogène le rhéteur. Essai sur la structure de la rhétorique ancienne. Paris: Les Belles Lettres, 1988.

PRAECHTER, s.v. Syrianos. RE, v. IV, A 2, p. 1728-1775, 1931.

RABE, Hugo. Hermógenes, Hermogenis opera. Teubner: Leipzig, 1913.

RUSSELL, D. A. Greek Declamation. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

SCHISSEL, O. s.v. Marcellinus. RE, v. XIV, n. 2, p. 1487-1488, 1928.

WILCOX, S. Corax and the Prolegomena. AJPh – American Journal of Philology, v. 64, p. 1-23, 1943.

Downloads

Publicado

02-09-2010

Como Citar

Duarte, R. M. (2010). Crocodilites: retrato de um sofisma sem solução. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 23(1/2), 20–41. https://doi.org/10.14195/2176-6436_23_2

Edição

Seção

Artigos