“Amizade” no Lísis

José Trindade Santos

Resumo


O objetivo deste trabalho é interpretar a noção de philía (“amizade”), no Lísis, apontando a sua filiação nas noções de oikeîos (“afinidade”) e syngéneia (“congenitura”, “conaturalidade”: Men. 81b, passim). O diálogo é dominado pela incapacidade de caraterizar a relação da “afinidade” com a “semelhança” (hómoion: 222a-e). Se o primeiro amigo é o bom (220a), aquele que o deseja não pode ser semelhante, nem contrário a ele: se fosse semelhante, não teria motivo para o desejar; se fosse contrário, teria de o repelir. Debaixo da aporia, escondem-se os problemas da relação entre o bem e o mal e da contrariedade. O primeiro é resolvido no Timeu através do desdobramento da criação do cosmo vivo: enquanto a alma imortal é criada pelo demiurgo, as almas irrracionais e os corpos dos mortais são construídas pelos deuses criados (41a-d). O segundo é resolvido no Sofista pela reformulação do sentido da negativa, que passa a poder ser lida como alteridade, além de como contrariedade. Esta solução é antecipada materialmente no Lísis pela interposição de “o que não é bom nem mau” (218b-c) entre o bom e o mau, associada em diversos diálogos à concepção do mal como “ignorância” do bem (Ti. 86d-e; ver Sph. 228c; Ti. 86b-90d; ver R. 353e).

Palavras-chave


Platão; Diálogos; philía; oikeîos; syngéneia.

Texto completo:

PDF

Referências


FRAISSE, J.-C. Philia, La notion d’amitié dans la Philosophie Antique. Paris: Librairie J. Vrin, 1974.

PLACES, E. des. Syngeneia: la parenté de l’homme avec Dieu, d’Homère à la Patristique. Paris: Klincksieck, 1964.




DOI: https://doi.org/10.24277/classica.v20i2.145

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 José Trindade Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional