Ó Musa, agora as causas: uma leitura da invocação da Eneida

Autores

  • Márcio Thamos Universidade Estadual Paulista

Palavras-chave:

Virgílio, Eneida, Canto I, invocação, Pietas, Enéias.

Resumo

O texto traz uma análise dos quatro versos do épico virgiliano que correspondem à invocação à musa, os hexâmetros de 8 a 11. Nessa análise, procura-se dar relevo a determinados aspectos do discurso que se configuram como recursos de expressão. Destaca-se principalmente a famosa questão da pietas de Enéias, num esforço de redefini-la em outras bases, a partir de um ponto de vista essencialmente diverso daquele adotado pela tradição e, em seguida, apresenta-se um efeito relevante de menção sub-reptícia ao nome do varão que se pode perceber no último verso desse trecho da epopéia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Thamos, Universidade Estadual Paulista

Faculdade de Ciências e Letras, câmpus de Araraquara.

Referências

GOELZER, Henri; BELLESORT, André. Virgile – Énéide livres I-VI. Paris: Les Belles Lettres, 1949.

HAECKER, Teodoro. Virgilio: padre de occidente. Trad. Valentín Garcia Yebra. Madrid: Epesa, 1945.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Estudos de história da cultura clássica: cultura romana. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2002. v. 2.

PESSOA, Fernando. Páginas de estética e de teoria e crítica literárias. Textos estabelecidos e prefaciados por Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho. Lisboa: Ática, 19--.

STAROBINSKI, Jean. As palavras sob as palavras: os anagramas de Ferdinand de Saussure. Trad. Carlos Vogt. São Paulo: Perspectiva, 1974.

Downloads

Publicado

2007-07-03

Como Citar

Thamos, M. (2007). Ó Musa, agora as causas: uma leitura da invocação da Eneida. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 20(1), 115–124. Recuperado de https://revista.classica.org.br/classica/article/view/138

Edição

Seção

Artigos