Ó Musa, agora as causas: uma leitura da invocação da Eneida

Márcio Thamos

Resumo


O texto traz uma análise dos quatro versos do épico virgiliano que correspondem à invocação à musa, os hexâmetros de 8 a 11. Nessa análise, procura-se dar relevo a determinados aspectos do discurso que se configuram como recursos de expressão. Destaca-se principalmente a famosa questão da pietas de Enéias, num esforço de redefini-la em outras bases, a partir de um ponto de vista essencialmente diverso daquele adotado pela tradição e, em seguida, apresenta-se um efeito relevante de menção sub-reptícia ao nome do varão que se pode perceber no último verso desse trecho da epopéia.

Palavras-chave


Virgílio; Eneida; Canto I; invocação; Pietas; Enéias.

Texto completo:

PDF

Referências


GOELZER, Henri; BELLESORT, André. Virgile – Énéide livres I-VI. Paris: Les Belles Lettres, 1949.

HAECKER, Teodoro. Virgilio: padre de occidente. Trad. Valentín Garcia Yebra. Madrid: Epesa, 1945.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Estudos de história da cultura clássica: cultura romana. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2002. v. 2.

PESSOA, Fernando. Páginas de estética e de teoria e crítica literárias. Textos estabelecidos e prefaciados por Georg Rudolf Lind e Jacinto do Prado Coelho. Lisboa: Ática, 19--.

STAROBINSKI, Jean. As palavras sob as palavras: os anagramas de Ferdinand de Saussure. Trad. Carlos Vogt. São Paulo: Perspectiva, 1974.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Márcio Thamos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional