As medidas de um conceito: ocorrências de hýbris no Ájax de Sófocles

Agatha Barcelar

Resumo


A partir das reflexões de N.R.E Fisher e de D. Cairns acerca da definição de hýbris, ambas fundamentadas na ética aristotélica, proponho que o conceito pode ser compreendido através da metáfora de uma ultrapassagem do limite que determina a timéde cada indivíduo. O conceito depende, pois, do quadro axiológico em que se inscreve. Após uma breve demonstração da mobilidade do conceito de hýbris através de uma comparação entre algumas atitudes a que remete na Atenas Clássica e no primeiro canto da Ilíada, passo a examinar as ocorrências do vocábulo e seus derivados no debate entre Teucro, Menelau, Agamêmnon e Ulisses acerca do sepultamento de Ájax, na tragédia homônima de Sófocles. Na medida em que tanto a atitude dos Atridas quanto a atitude de Teucro são caracterizadas como “hybrísticas”, torna-se manifesto que os valores desses personagens não coincidem. Hýbris pode, portanto, servir de “termômetro axiológico” na interpretação da tragédia e uma análise de cada uma de suas ocorrências revela muito sobre o êthos do personagem que a enuncia

Palavras-chave


Hýbris; timé; Con?ito de valores; Sófocles; Ájax.

Texto completo:

PDF

Referências


ADKINS, A. W. H. Merity and Responsibility – A Study in Greek Values. Chicago; London: The University of Chicago Press, 1975.

BARCELAR, Agatha. A liminaridade trágica em ‘Ájax’, de Sófocles. 2004. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

CAIRNS, D. L. Aidos: the Psychology and Ethics of Honour and Shame in Ancient Greek Literature. Oxford: Clarendon Press, 1999.

CAIRNS, D. L. Hybris, Dishonour and Thinking Big. JHS, v. 116, p. 1-32, 1996.

FISHER, N. R. E. Hybris: a study in the values of honour and shame in Ancient Greece. Warminster: Aris & Phillips, 1992.

GARVIE, A. F. Sophocles Ajax. Warminster: Aris & Phillips, 1998.

HALL, E. Inventing the Barbarian. Greek self-definition trough tragedy. Oxford: Clarendon Press, 1991.

HARTOG, F. Memória de Ulisses. Narrativas sobre a fronteira na Grécia Antiga. Trad. J. L. Brandão. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2004.

HARTOG, F. O Espelho de Heródoto. Ensaios sobre a Representação do Outro. Trad. J.L. Brandão. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

HENRICHS, Albert. The tomb of Aias and the prospect of hero cult in Sophokles. ClAnt, v. 12, n. 2, p. 165-180, 1993.

KNOX, B. The Ajax of Sophocles. In: ______. Word and Action – Essays on the Ancient Theater. Baltimore; London: The John Hopkins University Press, 1986. p. 125-160.

ROMILL, J. de. La crainte et l’angoisse dans le théâtre d’Eschyle. Paris: Les Belles Lettres, 1971.

ROMILLY, J. de. Les barbares dans la pensée de la Grèce classique. Phoenix, v. 47, n. 4, p. 283-292, 1993.

SAÏD, Suzanne. La faute tragique. Paris: François Maspero, 1978.

SEAFORD, Richard. Reciprocity and Ritual. Homer and tragedy in the Developing City-State. Oxford: Clarendon Press, 2000.

STANFORD, W. T. Sophocles: Ajax. London: Bristol Classical Press, 2002.

VERNANT, J.-P. Entre mythe et politique. Paris: Seuil, 1996.

VERNANT, J.-P.; VIDAL-NAQUET, P. Mito e Tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 1999.

WINNINGTON-INGRAM, R. P. Sophocles: an Interpretation. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2013 Agatha Barcelar

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 Classica está licenciada sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional