Eros e Himeros

o impulso erótico no romance grego antigo

Autores

Palavras-chave:

Romance grego antigo, Efesíacas , Lúcio ou o asno , Xenofonte de Éfeso , (Pseudo-)Luciano , eros

Resumo

A temática amorosa ocupa importante lugar na delimitação do gênero romance na Antiguidade, uma vez que os seus mais antigos exemplares trazem em seu centro a idealização da relação amorosa. Outro conjunto de obras que compõem o corpus do romance antigo, os romances cômico realistas, dão tratamento diverso ao impulso erótico, muitas vezes deslocado para um plano secundário da narrativa e abordado de forma não idealizada. Através da análise da representação de eros em dois romances, Efesíacas, de Xenofonte de Éfeso, da vertente amorosa, e Lúcio ou o asno, de (Pseudo-)Luciano, da cômico realista, vou buscar estabelecer formas distintivas de tratar a matéria amorosa nesse gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriane da Silva Duarte, Universidade de São Paulo

Professora titular de Língua e Literatura Grega da Universidade de São Paulo; bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq 1D.

 

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance II. As formas do tempo e do cronotopo. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BRANDÃO, Jacyntho L. A invenção do romance. Brasília: Editora da UNB, 2005.

BRANDÃO, Jacyntho L. Qual romance? (Entre antigos e modernos), Eutomia, v. 12, n. 1, p. 80-99, 2014.

CARSON, Anne. Eros the bittersweet. Champaign and London: Dalkey Archive Press, 2015.

CUEVA, Edmund P. Xenophon, history, and mythological allusions. In: The Myths of Fiction: Studies in the Canonical Greek Novels. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2004, p. 35-43.

HESÍODO. Teogonia. A origem dos deuses. Estudo e tradução Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1991.

LUCIANO DE SAMÓSATA. Eu, Lúcio – Memórias de um burro. Tradução, introdução e notas de Custódio Magueijo. In: Luciano, vol. II. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2012, p. 17-60.

MORALES, Helen. Challenging some orthodoxies: the politics of genre and the ancient Greek novel. In: KARLA, Grammatiki A. Fiction on the fringe. Novelistic writing in the post-classical age. Leiden: Brill, 2009, p. 1-12.

O’SULLIVAN, James N. Xenophon, The Ephesian tales. In: CUEVA, Edmund P.; BYRNE, Shannon N. (eds). A Companion to the Ancient Novel. Oxford: Wiley Blackwell, 2014, p. 43-61.

O’SULLIVAN, James N. Xenophon of Ephesus: his compositional technique and the birth of the novel. Berlin: Walter de Gruyter, 1995.

RAGUSA, Giuliana. Lira Grega. Antologia de poesia arcaica. São Paulo: Hedra, 2013.

SAFO DE LESBOS. Hino a Afrodite e outros poemas. Organização e tradução de Giuliana Ragusa. São Paulo: Hedra, 2021.

TAGLIABUE, Aldo. Xenophon’s Ephesiaca. A paraliterary love-story from the ancient world. Groningen: Barkhuis & Groningen University Library, 2017.

XENOFONTE DE ÉFESO. Efesíacas ou Ântia e Habrocomes. Tradução inédita de Adriane da Silva Duarte.

XENOPHON EPHESIUS. De Antia et Habrocome Ephesiacorum Libri V. Ed. J.N. O’Sullivan (Bibliotheca Teubneriana). Monachii et Lipsiae: K. G. Saur, 2005.

Downloads

Publicado

2022-08-05

Como Citar

Duarte, A. da S. (2022). Eros e Himeros: o impulso erótico no romance grego antigo. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 35(2), 1–10. Recuperado de https://revista.classica.org.br/classica/article/view/1013

Edição

Seção

Dossiê Eros e Afrodite no Romance Antigo