[1]
N. M. Pessanha, “A irreverência poética de Arquílogo”, Classica, p. 19–23, dez. 1992.