[1]
P. Martins e J. B. de T. Prado, “A saudável contramão dos Estudos Clássicos no Brasil”, Classica, vol. 21, nº 2, p. 165–166, dez. 2008.