Plutarco e a Segunda Sofística

Autores

  • Maria Aparecida de Oliveira Silva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24277/classica.v19i2.119

Palavras-chave:

Plutarco, Segunda Sofística, ditos, História Romana, Trajano

Resumo

É recorrente a definição de que o fenômeno cultural conhecido como a Segunda Sofística, do qual Plutarco faria parte, teria como principal característica literária o uso da arte retórica, preocupada apenas em exaltar a grandiosidade do império romano. A nosso ver, a Segunda Sofística foi antes um movimento literário voltado para o estilo e a forma dos escritos, e não um movimento ideológico. Para analisar a narrativa plutarquiana empregamos a teoria foucaultiana sobre a resistência cultural, a ?m de demonstrar o uso de um importante instrumento de transmissão de idéias contrárias à política romana: a escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDERSON, G. The Second Sophistic: a cultural phenomenon in the Roman Empire. London; New York: Routledge, 1993.

BABBIT, Frank Cole. Moralia III. London; Cambridge: Willian Heinemann; Harvard University Press, 1961.

CIZEK, E. L’époque de Trajan: circonstances politiques et problèmes idéologiques. Bucaresti; Paris: Editura Stiinfica si Enciclopedica et Les Belles Lettres, 1982.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2000.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

JONES, C. P. Plutarch and Rome. Oxford: Oxford University Press, 1972.

NIPPEL, W. La costruzzione dell’“altro”. In: SETTIS, S. (Org.). I Greci: storia, cultura, arte e società. Torino: Einaudi, 1996.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: UNICAMP, 1997.

Downloads

Publicado

02-12-2006

Como Citar

Silva, M. A. de O. (2006). Plutarco e a Segunda Sofística. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 19(2), 257–264. https://doi.org/10.24277/classica.v19i2.119

Edição

Seção

Artigos